Carta 12: Sobre a Velhice

Na 12ª carta a Lucílio Sêneca trata de uma questão que um número crescente de pessoas de hoje têm que lidar: a velhice.

Ele começa recordando uma visita recente a uma de suas casas de campo, durante as quais ele reclamou a um de seus funcionários que estava gastando muito dinheiro na manutenção. Mas seu zelador protestou que a casa estava envelhecendo, e os reparos eram, portanto, totalmente justificados. Então Seneca escreve: “E esta foi a casa que construí por minha própria labuta! O que me reserva o futuro, se as pedras de minha idade já estão se desintegrando? “(XII.1)

Qual deve ser a atitude da pessoa sábia em relação à velhice? Sêneca coloca muito vividamente a Lucílio:

“Vamos dormir com júbilo e alegria; deixe-nos dizer: ‘Eu tenho vivido; O curso que a fortuna estabeleceu para mim está terminado’ E se Deus se agrada de acrescentar outro dia, devemos acolhê-lo com alegria. Quando um homem diz: ‘Eu tenho vivido!’, toda manhã que acorda, recebe um bônus.“(XII.9)

Como ele frequentemente faz nas cartas, Sêneca termina com um “presente”, uma citação significativa de outro autor, que neste caso é: “É errado viver sob coação, mas ninguém é coagido a viver sob coação.” (XII.10), outra referência ao suicídio a ser escolhido sob certas circunstâncias.

O ditado acima é de ninguém menos que Epicuro, o principal rival da escola estóica. Sêneca, então, imagina Lucílio protestando: “Epicuro”, você responde, “disse estas palavras, o que você está fazendo com a propriedade de outrem?” Qualquer verdade, eu sustento, é minha própria propriedade. (XII.11)

Mais uma vez, uma bela frase e um exemplo de verdadeira sabedoria: não importa de onde a verdade venha, uma vez descoberta, é nossa propriedade coletiva.

——

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. Onde quer que eu vire, vejo evidências de meus avançados anos. Visitei recentemente a minha casa de campo e reclamei do dinheiro gasto na manutenção do prédio. Meu caseiro sustentou que as falhas não eram devidas a seu próprio descuido; “Ele estava fazendo todo o possível, mas a casa era velha.” E esta foi a casa que construí por minha própria labuta! O que me reserva o futuro, se as pedras de minha idade já estão se desintegrando?
  2. Eu estava com raiva, e usei a primeira oportunidade de exalar meu mal humor na presença do caseiro. – Está claro – exclamei eu – que esses plátanos estão negligenciados, não têm folhas, seus ramos são tão retorcidos e enrugados, os caules estão ásperos e desalinhados! Isso não aconteceria se alguém afofasse a terra sob seus pés e os regasse.” O caseiro jurou por todos os santos protetores que “ele estava fazendo todo o possível, e nunca relaxou seus esforços, mas aquelas árvores eram velhas”. Só entre nós, eu havia plantado essas árvores, eu as tinha visto em sua primeira florada.
  3. Então, virei-me para a porta e perguntei: “Quem é aquele quebrantado?” Vocês fizeram bem em colocá-lo na entrada, porque ele já está de saída[1], onde você o pegou?” Mas o escravo disse: “Você não me reconhece, senhor? Sou Felício, você costumava me trazer pequenas imagens[2], meu pai era o Filósito, o zelador, e eu sou seu escravo querido”. “O homem está louco”, comentei. “Meu escravo de predileto tornou-se um menininho de novo? Mas é bem possível, seus dentes estão caindo[3].”
  4. Estou obrigado admitir que minha velhice se tornou aparente. Apreciemos e amemos a velhice; pois é cheia de prazer se alguém sabe como usá-la. As frutas são mais bem-vindas quando quase acabadas; A juventude é a mais encantadora em seu fim; O último drinque deleita o ébrio, é o copo que o sacia e dá o toque final em sua embriaguez.
  5. Cada prazer reserva ao fim as maiores delícias que contém. A vida é mais deliciosa quando está em declive, mas ainda não atingiu o fim abrupto. E eu mesmo acredito que o período que se encontra, por assim dizer, à beira do telhado, possui prazeres próprios. Ou então o próprio fato de não desejarmos prazeres ter tomado o lugar dos próprios prazeres. Como é reconfortante ter cansado o apetite, e ter acabado com ele!
  6. “Mas,” você diz, “é um incômodo estar olhando a morte no rosto!” A Morte, no entanto, deve ser olhada no rosto por jovens e velhos. Nós não somos convocados de acordo com nossa classificação alfabética na lista do censor[4]. Além disso, ninguém é tão velho que seria impróprio para ele esperar mais um outro dia de existência. E um dia, lembre-se, é uma etapa na jornada da vida. Nosso escopo de vida é dividido em partes; consiste em grandes círculos que encerram menores. Um círculo abraça e limita o resto; atinge desde o nascimento até o último dia da existência. O próximo círculo limita o período de nossa juventude. O terceiro limita toda a infância em sua circunferência. Outra vez, há, em uma classe em si, o ano; contém dentro de si todas as divisões de tempo pela adição da qual obtemos o total da vida. O mês é limitado por um anel mais estreito. O menor círculo de todos é o dia; mas mesmo um dia tem seu começo e seu término, seu nascer e seu pôr-do-sol.
  7. Por isso Heráclito[5], cujo estilo obscuro lhe deu seu sobrenome, observou: “Um dia é igual a todos os dias”. Diferentes pessoas têm interpretado o ditado de maneiras diferentes. Alguns afirmam que os dias são iguais em número de horas, e isso é verdade; pois se por “dia” queremos dizer vinte e quatro horas de tempo, todos os dias devem ser iguais, na medida em que a noite adquire o que o dia perde. Mas outros sustentam que um dia é igual a todos os dias por meio da semelhança, porque o espaço de tempo mais longo não possui nenhum elemento que não possa ser encontrado em um único dia, a saber, a luz e a escuridão, e até a eternidade faz esses revezamentos mais numerosos, não diferentes quando é mais curto e diferente novamente quando é mais longo.
  8. Portanto, todos os dias deveriam ser regulados como se fechassem a série, como se estivessem completando nossa existência. Pacúvio, que por muito tempo ocupava a Síria, costumava realizar um ritual de sepultamento em sua própria honra, com vinho e banquetes fúnebres, e depois ser levado da sala de jantar para seu sarcófago, enquanto os eunucos aplaudiam e cantavam em grego: “Ele viveu sua vida, ele viveu sua vida!”
  9. Assim Pacúvio vinha enterrando-se todos os dias. Vamos, no entanto, fazer por um bom motivo o que ele costumava fazer por um motivo vil; vamos dormir com júbilo e alegria; deixe-nos dizer: “Eu tenho vivido; O curso que a fortuna estabeleceu para mim está terminado” E se Deus se agrada de acrescentar outro dia, devemos acolhê-lo com alegria. Esse homem é o mais feliz, e está seguro em sua própria posse de si mesmo, que pode esperar o amanhã sem receio. Quando um homem diz: “Eu tenho vivido!”, toda manhã que acorda, recebe um bônus.
  10. Mas agora eu devo concluir a minha carta. “O que?” Você diz; “Virá a mim sem qualquer contribuição?” Não tenha medo; trago algo, – e melhor, mais do que algo, muito. Pois o que há de mais nobre do que o seguinte provérbio de que eu faço desta carta portadora: “É errado viver sob coação, mas ninguém é coagido a viver sob coação.” Claro que não. Em todos os lados encontram-se muitos caminhos curtos e simples para a liberdade; e agradeçamos a Deus que nenhum homem possa ser mantido na vida. Podemos desprezar os próprios constrangimentos que nos prendem.
  11. “Epicuro”, você responde, “disse estas palavras, o que você está fazendo com a propriedade de outrem?” Qualquer verdade, eu sustento, é minha própria propriedade. E continuarei a amontoar citações de Epicuro sobre você, para que todas as pessoas que juram pelas palavras de outrem e que valorizam o orador e não o que é dito, compreendam que as melhores ideias são domínio público.

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

(imagem Heráclito por Johannes Moreelse)

[1] Uma alusão irônica ao funeral romano; Os pés do cadáver apontando para a porta.

[2] Pequenas figuras, geralmente de terracota, eram frequentemente dadas às crianças como presente durante o festival da Saturnalia.

[3] O antigo escravo se assemelha a uma criança na medida em que está perdendo os dentes (mas pela segunda vez).

[4]seniores” em contraste com “iuniores

[5] Heráclito de Éfeso (Éfeso, ca 535 a.C. – 475 a.C.) foi um filósofo pré-socrático considerado o ” Pai da dialética “. Recebeu a alcunha de “Obscuro” principalmente em razão da obra a ele atribuída por Diógenes Laércio, Sobre a Natureza, em estilo obscuro, próximo ao das sentenças oraculares.

Os comentários estão desativados.