Carta 46: Sobre um novo livro de Lucílio

A carta 46 é bastante particular à Lucílio e contem pouca mensagem atual.
Contudo é um  bom exemplo de texto elogioso.

(imagem busto de Lucius Verus, Louvre)


 

XLVI. Sobre um novo livro de Lucílio.

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. Recebi o seu livro que você havia prometido. Abri-o apressadamente com a intenção de olhar de relance, pois queria apenas provar o volume. Mas por seu próprio charme o livro me persuadiu a examiná-lo mais extensamente. Você pode entender por esse fato quão eloquente isso foi; pois parecia estar escrito no estilo tranquilo e, no entanto, não se assemelhava à sua obra ou à minha, mas à primeira vista poderia ter sido atribuída a Tito Lívio[1] ou a Epicuro. Além disso, eu estava tão impressionado e arrebatado pelo seu charme que eu terminei sem qualquer adiamento. A luz do sol me chamou, a fome deu sinal, e as nuvens baixaram; mas absorvi o livro do começo ao fim.
  2. Eu não estava meramente satisfeito; eu me rejubilava. Tão cheio de inteligência e espírito que era! Eu deveria ter acrescentado “força”, se o livro contivesse momentos de repouso, ou se tivesse aumentado em energia apenas em intervalos. Mas descobri que não havia erupção de força, mas um fluxo uniforme, um estilo vigoroso e casto. No entanto, eu notei de vez em quando sua doçura, e aqui e ali sua suavidade. Seu estilo é sublime e nobre; quero que você se mantenha dessa maneira e dessa direção. Seu assunto também contribuiu com algo; por esta razão você deve escolher temas produtivos, que vai prender a mente e despertá-la.
  3. Discutirei o livro mais detalhadamente após uma segunda leitura; entretanto, o meu julgamento é um tanto perturbado, como se eu tivesse ouvido aquilo em voz alta, e não o tivesse lido pessoalmente. Você deve permitir que eu o examine também. Você não precisa ter medo; você ouvirá a verdade. Homem de sorte! Não oferecer a um homem oportunidade de dizer-lhe mentiras de tal longa distância! A menos que talvez, mesmo agora, quando as desculpas para a mentira são tiradas, a tradição sirva como uma desculpa para dizermos mentiras uns aos outros!

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

[1] Tito Lívio, conhecido simplesmente como Lívio, é o autor da obra histórica intitulada Ab urbe condita (“Desde a fundação da cidade”), onde tenta relatar a história de Roma desde o momento tradicional da sua fundação 753 a.C. até ao início do século I da Era Cristã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *