Carta 47: Sobre mestre e escravo

O Estoico pede desculpas pela longa pausa, mas volta com uma das excelentes cartas!

Na carta 47 Sêneca fala sobre a relação entre mestre e escravo e traz algumas de suas mais marcantes frases:  Nenhuma servidão é mais vergonhosa do que aquela que é auto imposta. ” (XLVII, 17)

A carta é longa, mas sua leitura é muito interessante, principalmente devido aos os detalhes da vida romana narrados por Sêneca desde orgias gastronômicas e sexuais até o comércio, libertação e captura de escravos.  Sêneca nos lembra que Platão e Diogenes bem como Hécuba (rainha de Tróia) caíram em cativeiro e se tornaram escravos.

O cerne da carta, válido ainda hoje é : “Trate seus subalternos como você gostaria de ser tratado por seus superiores.” (XLVII, 11) e nos ensina a tratar as pessoas “de acordo com seu caráter, e não de acordo com seus deveres. Cada homem adquire seu caráter por si mesmo, mas a fortuna atribui seus deveres. ” (XLVII, 15)

Sêneca conclui a carta afirmando que todos homens têm a mesma origem divina e que todos nós somos escravos de algo:

Ele é um escravo.” Sua alma, no entanto, pode ser a de um homem livre. – Ele é um escravo. Mas isso vai ficar no seu caminho? Mostre-me um homem que não é um escravo; um é escravo da luxúria, outro da ganância, outro da ambição, e todos os homens são escravos do medo. Vou citar um antigo cônsul que agora é escravo de uma velha bruxa, um milionário que é escravo de uma serva; vou mostrar-lhe jovens de nascimento mais nobre em servidão a artistas de pantomima! Nenhuma servidão é mais vergonhosa do que aquela que é auto imposta.”(XLVII, 17)

(imagem Boulanger Gustaveo mercado de escravos)


XLVII. Sobre mestre e escravo

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. Fico feliz em saber, através daqueles que vêm de você, que vive em termos amigáveis com seus escravos. Isto convém a um homem sensato e bem-educado como você. “Eles são escravos”, dizem as pessoas. Não, são homens. – Escravos! Não, camaradas. – Escravos! Não, eles são amigos sem pretensões. – Escravos! Não, eles são nossos companheiros escravos, quando se reflete percebe-se que a Fortuna tem direitos iguais sobre escravos e homens livres.
  2. É por isso que eu sorrio para aqueles que acham degradante para um homem para jantar com seu escravo. Mas por que acham isso degradante? É somente porque o cerimonial de gente orgulhosa envolve um chefe de família em seu jantar com uma multidão de escravos em pé. O mestre come mais do que ele pode, e com monstruosa ganância carrega seu ventre até este ser esticado e por fim impossibilitado de fazer o trabalho de um ventre, de modo que logo estará em dores para vomitar toda a comida que deveria alimentá-lo.
  3. Durante todo esse tempo os pobres escravos não podem mover seus lábios, nem mesmo para falar. O menor murmúrio é reprimido pela vara; Mesmo um som casual, – uma tosse, um espirro, ou um soluço, – é correspondido com o chicote. Há uma penalidade grave para a menor quebra de silêncio. Durante toda a noite eles devem ficar em pé, famintos e mudos.
  4. O resultado disso tudo é que esses escravos, que não podem falar em presença de seu mestre, falam sobre seu mestre. Mas os escravos dos dias passados, que tinham permissão para conversar não só na presença de seu amo, mas na verdade com ele, cujas bocas não estavam caladas, estavam prontos a expor seu pescoço a seu senhor, a trazer à própria cabeça qualquer perigo que o ameaçasse; eles falavam na festa, mas ficavam em silêncio sob tortura.
  5. Finalmente, o dito, em alusão a este mesmo tratamento autoritário, torna-se atual: “Você tem tantos inimigos quanto escravos.” Eles não são inimigos quando os adquirimos; nós os tornamos inimigos. Passarei por alto outros comportamentos cruéis e desumanos; pois os maltratamos, não como se fossem homens, mas como se fossem animais de carga. Quando nos relaxamos em um banquete, um escravo passa pano para limpar o alimento vomitado, outro agacha-se debaixo da mesa e recolhe as migalhas dos convidados bêbados.
  6. Outro escravo fatia as preciosas aves de caça; com traços seguros e mão hábil ele corta fatias selecionadas ao longo do peito ou da coxa. Companheiro infeliz, que vive apenas com o propósito de cortar perus corretamente – a menos que, de fato, outro homem seja ainda mais infeliz do que ele, que ensina esta arte por prazer, ao invés de quem aprende isso por dever.
  7. Outro, que serve o vinho, deve vestir-se como uma mulher e lutar contra sua idade avançada; Ele não pode fugir de sua infância; ele é arrastado de volta para ela; e embora já tenha adquirido a figura de um soldado, ele é mantido sem barba por ter os pelos raspados ou arrancados pelas raízes, e ele deve permanecer acordado durante a noite, dividindo o seu tempo entre a embriaguez e luxúria do seu senhor; em seu quarto deve ser um homem, na festa um menino[1].
  8. Outro ainda, cujo dever é avaliar os convidados, deve cumprir com sua tarefa, pobre coitado, e vigiar para ver quem por adulação ou impudor, seja de apetite ou de linguagem, deverá receber um convite para amanhã. Pense também nos pobres fornecedores de alimentos, que observam os gostos de seus mestres com habilidade delicada, que sabem quais sabores especiais irão aguçar o apetite, o que vai agradar aos olhos, que novas combinações despertarão seus estômagos empolados, qual comida vai excitar sua aversão através da pura saciedade, e o que os aguçará o apetite naquele dia em particular. Com escravos como estes o mestre não pode suportar jantar; ele pensaria ser indigno associar-se com seu escravo na mesma mesa! Que os céus nos defendam! Mas quantos mestres está criando nesses mesmos homens!
  9. Eu vi em fila, diante da porta de Calisto[2], o antigo mestre de Calisto; eu vi o antigo mestre ele mesmo trancado para fora enquanto outros eram recebidos, – o mestre que uma vez fixou o bilhete “à venda” em Calisto e o pôs no mercado junto com os escravos inúteis. Mas ele foi pago por aquele escravo que foi arrematado no primeiro lote do leilão; o escravo, por sua vez, cortou seu nome da lista e, por sua vez, julgou-o impróprio para entrar em sua casa. O mestre vendeu Calisto, mas quanto Calisto fez seu patrão pagar!
  10. Lembre-se de que aquele a quem você chama seu escravo brotou do mesmo estoque, é abençoado pelos mesmos céus, e assim como você respira, vive e morre. É tão possível você ver nele um homem livre como para ele ver em você um escravo. Como resultado dos massacres na época de Mario, muitos homens de distinto nascimento, que estavam dando os primeiros passos em direção ao posto senatorial, foram humilhados pela fortuna, um se tornando um pastor, outro um zelador de uma casa de campo. Despreze, então, se você ousar, aqueles em cuja propriedade você pode a qualquer momento cair, mesmo enquanto você ainda os está desprezando.
  11. Não quero me envolver em uma questão muito polêmica, e discutir o tratamento dos escravos, para com quem nós, romanos, somos excessivamente arrogantes, cruéis e insultantes. Mas este é o núcleo do meu conselho: Trate seus subalternos como você gostaria de ser tratado por seus superiores. E quantas vezes você refletir o quanto poder tem sobre um escravo, lembre-se que seu mestre tem o mesmo poder sobre você.
  12. “Mas eu não tenho mestre”, você diz. Você ainda é jovem; talvez você terá um. Não sabe em que idade Hécuba entrou em cativeiro, ou Creso, ou a mãe de Dario, ou Platão ou Diógenes[3]?
  13. Associe-se com seu escravo com bondade, até mesmo em termos afáveis; deixe-o falar com você, planejar com você, viver com você. Sei que neste momento todos os pretensiosos clamarão contra mim em peso; eles dirão: “Não há nada mais degradante, mais vergonhoso, do que isso”. Mas estas são as mesmas pessoas às quais às vezes surpreendo beijando as mãos dos escravos de outros homens.
  14. Você não vê mesmo isto, como nossos antepassados removeram dos mestres tudo o que é ofensivo, e dos escravos tudo insultante? Eles chamavam o mestre de “pai da família”, e os escravos “membros da casa”, um costume que ainda se mantém em uso. Estabeleceram um feriado em que os senhores e escravos deveriam comer juntos, não como o único dia para este costume, mas como obrigatório naquele dia em qualquer caso. Eles permitiram que os escravos alcançassem honras na casa e pronunciassem sua opinião; eles defendiam que uma casa era uma comunidade em miniatura.
  15. “Você quer dizer,” vem a réplica, “que devo sentar todos os meus escravos na minha própria mesa?” Não, não mais do que você deva convidar todos os homens livres para ela. Você está enganado se pensa que eu iria excluir da minha mesa certos escravos cujos deveres são mais humildes, como, por exemplo, aquele tratador de mulas ou outro pastor; proponho valorizá-los de acordo com seu caráter, e não de acordo com seus deveres. Cada homem adquire seu caráter por si mesmo, mas a fortuna atribui seus deveres. Convide alguns para sua mesa porque eles merecem a honra, e outros por que podem vir a merecer. Pois, se houver qualquer característica servil neles como resultado de suas atribuições inferiores, será abalada por relações com homens de criação mais gentil.
  16. Você não precisa, meu caro Lucílio, caçar amigos apenas no fórum ou no senado; se você é cuidadoso e atento, você vai encontrá-los em casa também. O bom material muitas vezes permanece ocioso por falta de um artista; faça a experiência, e você vai confirmar isso. Como é um tolo aquele, ao comprar um cavalo, não considera as características do animal, mas apenas a sua sela e freio; então é duplamente um tolo quem valoriza um homem por suas roupas ou sua posição social, que na verdade é apenas um roupão que nos cobre.
  17. “Ele é um escravo.” Sua alma, no entanto, pode ser a de um homem livre. – Ele é um escravo. Mas isso vai ficar no seu caminho? Mostre-me um homem que não é um escravo; um é escravo da luxúria, outro da ganância, outro da ambição, e todos os homens são escravos do medo. Vou citar um antigo cônsul que agora é escravo de uma velha bruxa, um milionário que é escravo de uma serva; vou mostrar-lhe jovens de nascimento mais nobre em servidão a artistas de pantomima! Nenhuma servidão é mais vergonhosa do que aquela que é auto imposta. Você não deve, portanto, ser dissuadido por essas pessoas mimadas de se mostrar a seus escravos como uma pessoa afável e não orgulhosamente superior a eles; eles devem lhe respeitar em vez de lhe temer.
  18. Alguns podem sustentar que eu estou oferecendo agora a libertação dos escravos em geral e roubando senhores de sua propriedade, porque eu proponho que escravos respeitem seus mestres em vez de temê-los. Eles dizem: “Isto é o que ele claramente quer dizer: Devemos respeitar os escravos como se fossem clientes ou visitas!” Qualquer um que detém esta opinião esquece que o que é suficiente para um deus não pode ser muito pouco para um mestre. Respeito significa amor, e amor e medo não podem ser misturados.
  19. Portanto, eu considero que você está inteiramente certo em não desejar ser temido por seus escravos, e chicoteá-los apenas com a língua; apenas animais estúpidos precisam do chicote. O que nos irrita não nos prejudica necessariamente; mas nós somos levados a raiva selvagem por nossas vidas luxuosas, de modo que tudo o que não responde a nossos caprichos desperta nossa raiva.
  20. Nós vestimos o temperamento dos reis. Pois também eles, esquecidos da própria força e da fraqueza dos outros homens, tornam-se brancos de raiva, como se tivessem sofrido um ferimento, quando estão inteiramente protegidos do perigo de tal ferimento por sua exaltada posição. Eles não desconhecem que isso é verdade, mas ao encontrarem um erro, eles aproveitam as oportunidades para fazerem o mal; eles insistem que eles receberam ferimentos, a fim de que possam infligir-los.
  21. Não quero me demorar mais; porque você não precisa de exortação. Isto, entre outras coisas, é uma marca de bom caráter: Forme seus próprios julgamentos e honre-os. O mal é inconstante e em frequentemente mudança, não para melhor, mas para algo diferente.

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

[1] Glabri(pele macia), delicati ou exoleti (catamitas) eram escravos favoritos, mantidos artificialmente jovens pelos romanos da classe mais dissoluta, onde o mestre se orgulhava da aparência elegante e gestos graciosos desses favoritos.

[2] Caio Júlio Calisto foi um liberto imperial durante os reinados dos imperadores Calígula e Cláudio. Calisto era originalmente um libertado de Calígula, e recebeu grande autoridade durante o reinado, a qual usou para acumular grande riqueza.

[3] Como Hécuba (rainha de Troia), Sisigambis, mãe de Dario, era tecnicamente uma escrava de Alexandre, mas ele a tratou com respeito.  Platão tinha cerca de quarenta anos quando visitou a Sicília, de onde foi depois deportado por Dionísio, o Ancião. Ele foi vendido como escravo na Egina e resgatado por um discípulo de Cirena. Diógenes, enquanto viaja de Atenas para Egina, foi capturado por piratas e vendido em Creta, onde foi comprado por um certo coríntio e liberto.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *