Resenha: Meditações, Livro VII

O uso da razão é o foco do Livro VII:

“As coisas que são externas à minha mente não têm nenhuma relação com a minha mente.” (VII,2)

Marco Aurélio aborda o conceito de eudaemonia e como se manter são:

“Que fique no exterior o que cair sobre as partes que podem sentir os efeitos desta queda. Porque aquelas partes que sentirem se queixarão, se quiserem. Mas eu, a menos que pense que o que aconteceu é um mal, não sou ferido. E está em meu poder pensar assim.” (VII,14)

Um pouco mais tarde (#27) Marco Aurélio escreve sobre como se deve apreciar o que se tem, enquanto ao mesmo tempo não se apegar muito a isso, um lembrete da famosa máxima de Epicteto de que não possuímos nada (nem ninguém), nós apenas os “emprestamos”:

Não pense tanto no que você não tem quanto no que você tem: mas nas coisas que você escolheu o melhor, e então reflita quão ansiosamente elas teriam sido procuradas, se você não as tivesse. Ao mesmo tempo, no entanto, tome cuidado para que você não se acostume a supervalorizá-las, de modo a ser incomodado se você não as tiver no futuro.  (VII,27)

No final, temos uma frase fantástica, quando Marco diz que não adianta tentar fugir do mal dos outros, mas que devemos evitar o mal em nós mesmos:

“É uma coisa ridícula para um homem não fugir da sua própria maldade, que é realmente possível, mas tentar fugir da maldade de outros homens, que é impossível.” (VII, 71)


Disponível na lojas:  GooglePlay,  Amazon,  Kobo e  Apple

img

 

 

 

Resenha: Meditações, Livro VI

O livro VI começa com um exemplo da atitude estoica de perseverança:

“Que não faça diferença para você se está frio ou quente, se está cumprindo seu dever; e se está sonolento ou saciado de sono; e se foi mal falado ou louvado; e se está morrendo ou fazendo outra coisa. Pois é um dos atos da vida, este ato pelo qual morremos; é suficiente então neste ato também fazer bem o que temos em mãos.”(VI,2)

No parágrafo 18 ele novamente alerta contra perseguir a fama, um de seus temas recorrentes:

“Como estranhamente os homens agem. Eles não louvarão aqueles que vivem ao mesmo tempo e vivem consigo mesmos, mas para serem elogiados pela posteridade, por aqueles que nunca viram ou jamais verão, isso eles valorizam muito”. (VI,18)

No 21  há outra frase esplêndida, esta sobre a racionalidade de mudar de ideia quando necessário:

Se alguém for capaz de me convencer e me mostrar que não penso nem ajo corretamente, de bom grado mudarei, pois busco a verdade, pela qual nenhum homem jamais foi ferido. Mas aquele que permanece no seu erro e na sua ignorância é ferido.” (VI,21)

Uma das discussões em curso entre os estoicos modernos é até que ponto se deve aceitar a providência divina e uma visão teleológica do universo, que era certamente popular entre os estoicos antigos. Marco Aurélio frequentemente expressa uma atitude que hoje poderíamos chamar de agnóstica, implicando ou mesmo afirmando diretamente que não importa se alguém acredita na providência divina (para os estoicos Deus era a própria natureza) ou em apenas átomos e caos (a visão epicureana). Aqui está uma dessas passagens:

“Alexandre o macedônio e seu noivo por morte foram levados ao mesmo estado; pois ou foram recebidos nos mesmos princípios seminais do universo, ou foram igualmente dispersos entre os átomos”. (VI, 24)

Dois conceitos estoicos importantes são abordados: a perspectiva das coisas e o cosmopolitismo estoico:

“Ásia, Europa, são cantos do universo; todo o mar uma gota no universo; Athos um pequeno torrão do universo: todo o tempo presente é um ponto na eternidade.” (VI,36)

“meu país, enquanto Antonino, é Roma; mas enquanto homem, é o mundo”.(VI,44)

No livro Marco faz referências a textos de Cícero e Plutarco


Disponível na lojas:  GooglePlay,  Amazon,  Kobo e  Apple

img

Veja também:

:  

Resenha: Meditações, Livro V

O Livro V das Meditações de Marco Aurélio começa com esta famosa passagem: “Na manhã em que você se levantar sem vontade, que este pensamento esteja presente, Eu estou me levantando para o trabalho de um homen. Por que, então, estou insatisfeito se vou fazer as coisas para as quais existo e para as quais fui trazido ao mundo? “, seguido de um comentário bem humorado que diz que sim, preferíamos ficar quentes debaixo dos cobertores, porque é mais agradável, e ainda assim não fomos feitos para nos deleitar (visão epicurista), mas para fazer o trabalho de um ser humano, o que significa – para os estoicos – ser útil à sociedade.

No parágrafo 3, Marco se lembra de ignorar a desaprovação ou crítica dos outros se sabe que o que está dizendo ou fazendo é a coisa certa a fazer ou a dizer. Este tipo de passagens são muitas vezes mal interpretadas pelos críticos do estoicismo como indicando uma atitude que pode levar a ignorar a crítica e abraçar os próprios preconceitos. Contudo Marco afirma muito claramente em outros trechos que o sábio aprende com a boa crítica, então não é essa a intenção: a idéia, ao contrário, é seguir em frente apesar das críticas mesquinhas e injustificadas.

No parágrafo 8 explicita sua visão panteísta, ou seja, o universo e Deus é a mesma ocorrência.

“aceite tudo o que acontece, mesmo que pareça desagradável, porque leva a isso, à saúde do universo e à prosperidade e felicidade de Zeus (Universo). Pois ele não teria trazido a nenhum homem o que trouxe, se não fosse útil para o todo… Por duas razões então é certo estar contente com o que lhe acontece; uma, porque foi feito para você e prescrito para você; e a outra, porque mesmo o que vem cruelmente para cada um de nós é para o poder que administra o universo uma causa de felicidade e perfeição… Para a integridade do todo você é mutilado, se cortar qualquer coisa da combinação e da continuidade, quer das partes ou das causas e você se corta.” (V,8)

O estoicismo é uma filosofia, não uma religião, então seus praticantes têm permissão para atualizá-lo de acordo com a melhor compreensão pessoal.

No parágrafo 20 temos uma passagem importante, que foi usada como título da obra contemporânea sobre estoicismo de Ryan Holiday, O Obstáculo é o Caminho:

“a mente converte e transforma cada obstáculo à sua atividade em um instrumento; O que impede a ação estimula a ação. O que fica no caminho torna-se o caminho.” (V,20)

Em torno dos parágrafos 23-24 ele retorna a um de seus temas recorrentes, a impermanência das coisas, tendo a perspectiva cósmica sobre os assuntos humanos: “Pense na substância universal, da qual você tem uma porção muito pequena, e no tempo universal, do qual um curto e indivisível intervalo foi atribuído a você, e no que é fixado pela Fortuna, e quão pequena parte dele é você.(V,24)

O parágrafo 28 merece ser destacado na íntegra porque que é bem colocado e bem-humorado:

“Você está indignado contra aquele cujas axilas fedem, ou com aquele cuja boca cheira mal? Que bem fará esta ira? Ele tem tal boca, tem tais axilas; é necessário que tal emanação venha de tais coisas; mas o homem tem razão, isso será dito, e ele é capaz, se tomar dores, de descobrir em que ele ofende; eu desejo-lhe o sucesso em sua descoberta. Bem, então, e você tem razão: por sua faculdade racional, estimule a faculdade racional dele; mostre-lhe seu erro, admoeste-o. Pois se ele escutar, você o curará, e não há necessidade de ira.” (V,28)

Outra passagem muito importante, esta sobre o suicídio, vem logo em seguida:

“se os homens não permitirem, então se afaste da vida, ainda assim como se você não sofresse nenhum dano. A casa está cheia de fumaça, e eu saio dela . Por que você acha que isso é algum problema? Mas enquanto nada desse tipo me expulsar, eu permaneço, sou livre, e nenhum homem me impedirá de fazer o que eu escolher; e eu escolho fazer o que está de acordo com a natureza do animal racional e social”

É uma simplificação do ensinamento de Epiteto: “Se a sala estiver cheia de fumo, se apenas moderadamente, vou ficar; se houver demasiada fumaça, vou. Lembre-se disso, mantenha-se firme, a porta está sempre aberta

O tema do suicídio é recorrente no estoicismo, e a abordagem estoica é, penso eu, ainda hoje muito válida.

 


Disponível na lojas:  GooglePlay,  Amazon,  Kobo e  Apple

img

Veja também:

Resenha: Meditações, Livro IV

No Livro 4, Marco Aurélio aborda o tipo de santuário que melhor sustenta o indivíduo . Ele alerta contra a vã acumulação de riqueza material. Em vez disso, ele sugere a prática da autodisciplina, criando ordem pessoal e tranquilidade a partir de dentro. A prática proporciona proteção contra a inveja, e lembra o homem de refrear o apetite pela fama, fortuna e louvor.

Segundo o imperador “Os homens buscam retiros para si mesmos, casas no campo, a beira-mar e nas montanhas … Mas está em seu poder sempre que você escolher se retirar em si mesmo”(§3), ou seja, em nenhum outro lugar há mais sossego ou mais liberdade dos problemas do que em sua própria alma. O livro IV pode ser resumido pelo parágrafo 7:

“O universo é transformação: a vida é opinião. Retire a sua opinião, e então é tirada a reclamação: ‘Fui prejudicado’. Tire a queixa: ‘fui ferido’, e o dano é tirado.” (IV,7)

Marco Aurélio também traz à tona o tema da comunidade política apoiada e sustentada pelos mesmos princípios racionais daqueles que sustentam um bom homem. O que é bom para o todo na ordenação do universo é bom para a sociedade e também é bom para o indivíduo. Não se pode ser um estranho ao universo e ao que ali se passa; agir desta forma é ser como um filósofo sem roupa.

Não só a vida é breve tanto para o “mendigo como para o rei”, diz Aurélio, mas seus eventos e acontecimentos (nascimento, doença, saúde, casamento, guerra, banquetes, etc.) são recorrentes e cíclicos. As mesmas coisas acontecem a todas as pessoas em suas vidas. A diferença está em como as contínuas mudanças de um estado para o outro (exemplificadas pelas mutações entre os elementos da terra, do ar, do fogo e da água) são percebidos. Uma pessoa enterra outra, assim como cidades inteiras, como Pompeia e Herculano, já foram enterradas. Não faz sentido, portanto, deixar que o medo da morte guie a vida.

O Livro 4 contém uma série de aforismos curtos. Por exemplo, Aurélio diz:

“Não faça como se você fosse viver dez mil anos. A morte paira sobre você. Enquanto vive, enquanto está em seu poder, seja bom.” (IV,17)

“Tudo é efêmero, tanto quem se lembra como o que é lembrado”. (IV,35)

“Você é uma pequena alma carregando um cadáver”(IV,41)

“Seja como o promontório contra o qual as ondas se quebram continuamente, contudo, ele permanece firme e doma a fúria da água que o circunda.”(IV,49)


Disponível na lojas:  GooglePlay,  Amazon,  Kobo e  Apple

img

Resenha: Meditações, Livro III

No Livro III o foco está nos conceitos de Vida, Morte e Divindade.  Devemos fazer o certo não nos importar com riqueza, fama e opinião dos outros

“Hipócrates, depois de curar muitas doenças, ele próprio adoeceu e morreu… Alexandre e Pompeu, e Caio César, depois de tantas vezes destruírem completamente cidades inteiras,  eles também finalmente se retiraram da vida… Você embarcou, fez a viagem, veio à praia; saia. Se de fato há outra vida, não há falta de deuses, nem mesmo ali; mas se a um estado sem sensação, você deixará de ser dominado por dores e prazeres, e de ser um escravo do corpo, que é tão inferior quanto aquele que o serve é superior.” (III,3)

Marco Aurélio, assim como Epiteto, muitas vezes se refere a deuses, e contempla a possibilidade de que não há nenhum, que morremos e entramos em um estado “sem sensação”. E, no entanto, isso não muda as coisas na perspectiva estoica:

“Se você trabalhar naquilo que está diante de você, seguindo a razão correta com seriedade, vigor, calma, sem permitir que nada mais o distraia, mas mantendo sua alma pura, como se você fosse obrigado a devolvê-la imediatamente; se você não esperasse nada, nada temendo, mas satisfeito com sua atividade atual, segundo a natureza, e com a verdade absoluta em cada palavra e som que você proferir, você vai viver feliz. E não há nenhum homem que seja capaz de impedir isso.” (III,12)

Perto do final do Livro III vem outra citação popular:

“Curto é, pois, o tempo que cada homem vive; e pequeno é o canto da terra onde vive; e curta é também a mais longa fama póstuma, e mesmo isto só continuado por uma sucessão de humanos, que morrerão muito cedo, e que não conhecem sequer a si mesmos, e menos ainda aquele que morreu há muito tempo.” (III,10)

Ou seja, ele nos lembra, de uma perspectiva mais ampla: que a busca por riqueza e fama é ridícula e sem sentido. Marco Aurélio então nos lembra (bem, a si  mesmo, já que as meditações eram seu diário pessoal) de nunca comprometer o bem comum e o que é certo para obter elogios dos outros, poder ou prazer. Segundo ele, não devemos desejar “precisar de muros e cortinas:“, ou seja, desejar qualquer coisa de que nos envergonhemos em público.

“Então, o dever de um homem é permanecer em pé, não ser mantido em pé pelos outros.” (III,5)


Livro disponível na lojas:

GooglePlay,  Amazon,  Kobo e  Apple

Resenha: Meditações, Livros I e II

Nos próximos dias farei uma série de posts comentando as Meditações de Marco Aurélio.

É provavelmente o clássico estoico mais lido de todos. Como é sabido, foi escrito como um diário pessoal do imperador romano e, portanto, não foi escrito para publicação. Isso explica a estranha estrutura, bem como o estilo.

Hoje começamos com os dois primeiros livros.

Livro I

O primeiro livro das Meditações é essencialmente uma lista de pessoas a quem Marcos agradece, cada uma acompanhada de uma explicação sobre o motivo de sua gratidão. É, naturalmente, uma lista esclarecedora. Termina por agradecer aos deuses (ou Fortuna) por lhe terem dado muitas coisas boas em sua vida, incluindo bons pais, bons professores e bons amigos.

A impressão geral que se tem do Livro I é de um homem humilde, apesar de sua posição muito poderosa, alguém que está pronto para aprender e tenta seriamente fazer o seu melhor na vida para melhorar a si mesmo e ajudar os outros.

Livro II

O segundo livro começa com uma de suas passagens mais citadas:

“Comece a manhã dizendo a si mesmo, eu me encontrarei com o intrometido, o ingrato, arrogante, enganador, invejoso, anti-social. Tudo isso acontece com eles por causa de sua ignorância do que é bom e mau.” (II,1)

Outra preciosidade vem no parágrafo 8, onde ele diz: “O fracasso em observar o que está na mente de outro raramente fez um homem infeliz; mas aqueles que não observam os movimentos de suas próprias mentes devem ser necessariamente infelizes.”

Mais ao final, parágrafo 11, Marco Aurélio reafirma a doutrina estoica sobre as coisas indiferentes:

“a morte, e a vida, a honra e a desonra, a dor e o prazer, todas essas coisas acontecem igualmente aos homens bons e maus, sendo coisas que não nos tornam nem melhores nem piores. Portanto, não são nem boas nem ruins.” (II,11)

Conclui com sua definição de filosofia, que ele diz ser o único guia para os homens:

“consiste em manter o daemon dentro de um homem livre de violência e ileso, superior às dores e prazeres, não fazendo nada sem um propósito, nem ainda falsamente e com hipocrisia, não sentindo a necessidade de outro homem fazer ou não fazer nada; e além disso, aceitando tudo o que acontece, e, finalmente, esperando a morte com uma mente alegre”

 


Livro disponível na lojas:

GooglePlay,  Amazon,  Kobo e  Apple