Pensamento #40: Vícios são inerentes ao homen

Sêneca, Dos Benefícios, Livro I-X

“Nossos antepassados antes de nós lamentaram, e nossos filhos depois de nós lamentarão, como nós, a ruína, a moralidade, a prevalência do vício e a deterioração gradual da humanidade; mas essas coisas são realmente estacionárias, apenas se movem um pouco para lá e para cá como as ondas que ao mesmo tempo uma maré crescente lava mais sobre a terra. Em determinado momento, o principal vício será o adultério, e a licenciosidade excederá todos os limites; em outra ocasião, a fúria do banquete estará em voga, e os homens desperdiçarão sua herança da maneira mais vergonhosa de todos os modos, pelo estômago; em outro, cuidado excessivo com o corpo e uma devoção à beleza pessoal que implica feiúra da mente; em outro momento, a liberdade concedida sem controle se mostrará em imprudência e desafio injusto da autoridade; às vezes haverá um reino de crueldade tanto em público quanto em privado, e a loucura das guerras civis virá sobre nós, destruindo tudo que é sagrado e inviolável. Às vezes até embriaguez será realizada em honra, e será uma virtude engolir mais vinho.

Vícios não nos aguardam em um só lugar, mas pairam à nossa volta em formas mutáveis, às vezes até divergentes, de modo que, por sua vez, ganham e perdem terreno; todavia, sempre seremos obrigados a pronunciar o mesmo veredicto sobre nós mesmos, que somos e sempre fomos maus e, a contragosto, acrescento que sempre seremos. Sempre haverá homicídios, tiranos, ladrões, adúlteros, violadores, sacrílegos, traidores: pior do que tudo isso é o homem ingrato, a não ser que consideremos que todos esses crimes fluem da ingratidão, sem a qual dificilmente alguma grande iniqüidade chegou a plena estatura.”

(Imagem As três Graças por Antonio Canova)

Pensamento do Dia #38: As riquezas pertencem à classe das coisas desejáveis.

No ensaio A Vida Feliz Sêneca toca num ponto cheio de hipocrisia e  atual até hoje: a relação do dinheiro e virtude:

“Ninguém condenou a sabedoria à pobreza. O filósofo pode possuir ampla riqueza, mas não possuirá riqueza que tenha sido arrancada de outro, ou que esteja manchada com o sangue de outra pessoa: ela deve ser obtida sem prejudicar qualquer homem e sem que ela seja obtida por meios vis; deve ser honrosamente acessível e honrosamente gasta.” (XXIII,1)

“Se as minhas riquezas me deixarem, não levarão consigo nada além de si mesmas: já vocês ficarão desnorteadas e parecerão ficar fora de si se as perderem: comigo as riquezas ocupam um certo lugar, mas com você elas ocupam lugar mais alto de todos. Em suma, minhas riquezas pertencem a mim, você pertence às suas riquezas.” (XXII, 5)

(imagem O beijo de Gustav Klimt, Belvedere-Viena)

 

 

Pensamento do Dia #37: o fogo já danificou muitas cidades, mas não aniquilou nenhuma.

“Nossas mentes devem ser enviadas antecipadamente para atender a todos os problemas, e devemos considerar, não o que costuma acontecer, mas o que pode acontecer. Pois o que há no mundo que a Fortuna, quando ela quer, não derruba do alto da sua prosperidade? E o que é que ela não ataca mais violentamente quão mais brilhante é? O que é laborioso ou difícil para ela? ” (Carta XCI, 4)

“Timágenes, que tinha rancor contra Roma e sua prosperidade, costumava dizer que a única razão pela qual se entristece quando incêndios ocorrem em Roma é devido ao seu conhecimento de que surgirá edifícios melhores no lugar daqueles que caem pelas chamas.” (Carta XCI, 13)

——

Frases, incluindo o título foram tiradas da 91° carta a Lucílio: “Sobre a lição a ser aprendida do incêndio de Lião”, Volume II

(imagem, Hubert Robert, o incêndio de Roma, MuMa)

Pensamento do dia #35: Só as pedras não demonstram emoção

Estoicismo não é eliminar a emoção ou os sentimentos.  É não ser escravos deles.

Sêneca diz:

…estaria eu aconselhando você a ter um coração duro, desejando que você mantenha seu semblante imóvel na cerimônia fúnebre, e não permitindo que sua alma sinta mesmo uma pitada de dor? De modo algum. Isso significaria insensibilidade e não virtude –   Mas suponha que eu proíba você de mostrar emoção, há certos sentimentos que reivindicam seus direitos próprios. As lágrimas caem, não importa como tentamos controla-las, e, sendo derramadas, aliviam a alma. O que, então, devemos fazer? Deixe-nos permitir que caiam, mas não a ordenemo-las a fazê-lo; deixe-as, de acordo com a emoção, inundar os nossos olhos, mas não como a mera atuação(Carta XCIX, 15-16)

Imagem: Medusa de Gian Lorenzo Bernini, Palazzo dei Conservatori.

 

Pensamento do dia #34: Quer mudar o mundo? Comece por mudar a você mesmo

“No nosso nascimento, a natureza nos tornou ensináveis, e nos deu razão, senão perfeita, capaz de ser aperfeiçoada.” (Sêneca, Carta XLIX.11)

Como vemos na frase, os estoicos são moderadamente otimistas sobre a natureza humana, contudo para isso precisamos aperfeiçoar nossa razão e sabedoria.  Ler, estudar, apreciar o belo, compartilhar o que seja justo e virtuoso.

(imagem escultura de Nero e Sêneca por Barron – Museo do Prado)

Pensamento do Dia #33: Valorize o homem acordo com seu caráter, e não de acordo com seus deveres.

Sêneca diz:

“Você está enganado se pensa que eu iria excluir da minha mesa certos escravos cujos deveres são mais humildes, como, por exemplo, aquele tratador de mulas ou outro pastor; proponho valorizá-los de acordo com seu caráter, e não de acordo com seus deveres. Cada homem adquire seu caráter por si mesmo, mas a fortuna atribui seus deveres” ( Carta XLVII.15)

Devemos transportar o ensinamento de Sêneca para os tempos modernos.  Posse e cargos não indicam valor de alguém, sem esquecer que é válido para todos. Ser rico ou estudado não indica falha de caráter e ser pobre e ignorante não é sinônimo de virtude.  Tudo isso está na categoria dos indiferentes.

“Associe-se com seu escravo com bondade, até mesmo em termos afáveis; deixe-o falar com você, planejar com você, viver com você. Sei que neste momento todos os pretensiosos clamarão contra mim em peso; eles dirão: “Não há nada mais degradante, mais vergonhoso, do que isso”. Mas estas são as mesmas pessoas às quais às vezes surpreendo beijando as mãos dos escravos de outros homens. ” (Carta XLVII.13)

(imagem Mercado de Escravos por Jean-Léon Gérôme)

Pensamento do Dia #32: Todos que anseiam por coisas externas são escravos delas

Sêneca diz:

“Mostre-me um homem que não é um escravo; um é escravo da luxúria, outro da ganância, outro da ambição, e todos os homens são escravos do medo… Nenhuma servidão é mais vergonhosa do que aquela que é auto imposta.” (Carta XLVII, 17)

Sêneca está se referindo ao ensinamento estoico da dicotomia do controle ou seja, que algumas coisas estão sob nosso controle (nossas ações e julgamentos)  enquanto todo o resto não está sob nosso controle, são externas.

Aqueles que valorizam coisas externas se colocam a mercê da sorte (deusa Fortuna) e acabam na posição de escravos das coisas (cargos, reputação) que anseiam.

(imagem Boulanger Gustave, o mercado de escravos)

Pensamento do Dia #31: A filosofia não achou Platão já um nobre; ela o fez um.

“A filosofia não rejeita nem escolhe ninguém; sua luz brilha para todos.

3. Sócrates não era aristocrata. Cleantes trabalhou em um poço e serviu como um homem contratado regando um jardim. A filosofia não achou Platão já um nobre; ela o fez um. Por que então você deve temer ser capaz de se comparar a homens como estes? Eles são todos os seus ancestrais, se você se comportar de maneira digna; e você fará isso se você se convencer, desde o princípio, de que nenhum homem lhe supera em verdadeira nobreza.

4. Todos temos o mesmo número de antepassados; não há homem cujo primeiro começo não fuja da memória. Platão diz: “Todo o rei nasce de uma raça de escravos, e todo escravo tem reis entre seus antepassados”. O passar do tempo, com suas vicissitudes, tem misturado todas essas posições sociais, e a fortuna as virado de cabeça para baixo.

5. Então, quem é bem-nascido? Aquele que por natureza é bem adaptado à virtude.” ( XLIV. 2-5)

Sêneca, Carta 44 – Sobre Filosofia e Pedigrees

(Imagem: Morte de Sócrates por  Jacques-Louis David)