Pensamento do Dia #30: Sobre a Ira

“Mas suponha que haja uma luta irada de ambos os lados, mesmo assim, é o melhor homem aquele que primeiro cede; o vencedor é o verdadeiro perdedor. Ele bateu em você; bem, então, você recua: se você o atacar, você lhe dará oportunidade e desculpa para atacá-lo novamente: você não será capaz de se retirar da luta quando quiser.” (Sobre a Ira II.34)

Nunca ceda à raiva,  a sua ou a de outra pessoa

(Imagem: Romulus e Remus, os irmãos brigões. Certosa de Pavia, Itália)

Livro: Sobre a Ira

O maior remédio para a ira é o adiamento” (III.12)

O ensaio Sobre a Ira é dirigido ao irmão mais velho de Sêneca, Gálio. Embora decomposto em três livros, o texto é efetivamente dividido em duas partes.

A primeira parte (I-II.17) trata de questões teóricas, enquanto a segunda parte (II.18 –final) oferece conselhos terapêuticos. A primeira parte começa com um preâmbulo sobre os horrores da ira, seguidos por suas definições. Continua com questões como se a ira é natural, se pode ser moderada, se é involuntária e se pode ser completamente apagada. Sêneca defende a tese – contrária à de outros filósofos da Antiguidade, como Aristóteles, de que a ira sempre é prejudicial. Segundo o romano, um grande homem não deve irar-se nunca e, quando não for possível reprimir a ira, ele deve tentar se acalmar o mais cedo possível.

“Nenhum homem se torna mais corajoso por meio da ira, exceto alguém que, sem ira, não teria sido corajoso: a ira, portanto, não vem para ajudar a coragem, mas para tomar seu lugar” (I.13)

“Nada se convem àquele que inflige punição menos do que a ira, porque a punição tem tanto mais poder de reforma, se a sentença for pronunciada com julgamento deliberado. É por isso que Sócrates disse ao escravo: “Eu surraria você, se não estivesse com ira“. Ele adiou a correção do escravo para uma oportunidade em que estivesse mais calmo; no momento, ele se repreendeu. Quem pode se gabar de ter suas paixões sob controle, quando Sócrates não ousou confiar em si mesmo à sua ira? ” (I.15)

A segunda parte (Livro II.18 em diante) começa com conselhos sobre como evitar a ira e como isso pode ser ensinado a crianças e adultos. Seguido então por vários trechos de conselhos sobre como a ira pode ser adiada ou extinta, e muitos casos reais são dados de exemplos a serem imitados ou evitados. O trabalho conclui com algumas dicas sobre como acalmar outras pessoas, seguido de um resumo da obra.

“Outros vícios afetam nosso julgamento, a ira afeta nossa sanidade: outros vêm em ataques leves e crescem despercebidos, mas as mentes dos homens mergulham abruptamente em ira. Não há paixão mais frenética, mais destrutiva para si mesma; é arrogante se for bem-sucedida e frenética se falhar. Mesmo quando derrotada, ela não se cansa, mas se o acaso coloca seu inimigo além de seu alcance, ela volta seus dentes contra si mesmo.” (III.1)

“Que nada lhe seja permitido enquanto estiver irado. Por que razão? Porque irá querer que tudo lhe seja permitido.” (III.12)

(Imagem busto “Alma danada”, por Gian Lorenzo BerniniPalazzo di Spagna, Roma)

Pensamento do dia #9 (Sobre a Ira, III.24)

Pensamento do Dia para a véspera de Natal é sobre o perdão.

Essa é a primeira ofensa dele? pense quanto tempo ele tem sido correto. Ele já errou muitas vezes e em muitos outros casos? Então, continuemos a suportar o que temos suportado por tanto tempo. Ele é amigo? Então ele não pretendia ofendê-lo. Ele é um inimigo? Então, ao fazê-lo, ele cumpriu seu dever.

(…)

Seja quem for [que o ofendeste], digamos a nós mesmos em seu favor, que mesmo os mais sábios dos homens frequentemente erram, que ninguém está tão alerta que sua atenção nunca se trai, que ninguém é tão maduro que sua mente não possa ser estimulada pelas circunstâncias a uma ação calorosa, que, na verdade, ninguém, por muito cuidadoso que seja, pode evitar eventualmente ofender, mesmo enquanto tenta evitar isso. (Sêneca, Sobre a Ira, III.24), On Anger, III.24)

Seja indulgente ou, pelo menos, compreenda as ações de outras pessoas. (Imagem: moeda Antoninus Pius, um dos cinco bons imperadores,  mostrando as mãos dadas, o símbolo da amizade)

Pensamento do Dia #7: (Sobre a Ira. III, 11)

Há muitas maneiras pelas quais a raiva pode ser controlada; A maioria das coisas pode ser transformada em brincadeira. “Diz-se que Sócrates, quando recebeu um tapa na orelha, simplesmente disse que era uma pena que um homem não pudesse saber quando devia usar seu capacete ao caminhar.” Não importa muito quão grave uma lesão foi feita, mas sim como é suportada;
(Sêneca,  Sobre a Ira. III, 11 ) (Imagem: Antigo capacete grego)
Senso de humor: sua defesa contra o universo.