Pensamento do Dia #08: (Carta 22: Sobre a Futilidade de Meias Medidas)

Esteja satisfeito com o negócio ao qual você se dedicou, ou, como prefere que as pessoas pensem, o negócio que lhe foi imposto. Não há nenhuma razão pela qual você deva estar lutando para mais; se o fizer, perderá toda a credibilidade, e os homens verão que não foi uma imposição. A explicação usual que os homens oferecem é errada: “Eu fui compelido a fazê-lo, suponho que era contra minha vontade, eu tinha que fazê-lo.” Mas ninguém é obrigado a perseguir a prosperidade à velocidade máxima;

Dos negócios, no entanto, meu caro Lucílio, é fácil escapar, basta você desprezar suas recompensas. Nós somos retidos e impedidos de escapar por pensamentos como estes: “O que, então? Deixarei para trás estas grandes oportunidades? Devo partir no momento da colheita?  Assim, os homens deixam tais vantagens com relutância; eles amam a recompensa de suas dificuldades, mas amaldiçoam as dificuldades em si. Procure na mente daqueles que lamentam o que já desejaram, que falam em fugir de coisas que não podem deixar de ter; você vai compreender que eles estão se demorando por vontade própria em uma situação que eles declaram achar difícil e miserável de suportar.

É assim, meu caro Lucílio; existem alguns homens que a escravidão mantém presos, mas há muitos mais que se apegam à escravidão.

Continue lendo “Pensamento do Dia #08: (Carta 22: Sobre a Futilidade de Meias Medidas)”

Pensamento do Dia #7: (Sobre a Ira. III, 11)

Há muitas maneiras pelas quais a raiva pode ser controlada; A maioria das coisas pode ser transformada em brincadeira. “Diz-se que Sócrates, quando recebeu um tapa na orelha, simplesmente disse que era uma pena que um homem não pudesse saber quando devia usar seu capacete ao caminhar.” Não importa muito quão grave uma lesão foi feita, mas sim como é suportada;
(Sêneca,  Sobre a Ira. III, 11 ) (Imagem: Antigo capacete grego)
Senso de humor: sua defesa contra o universo.

 

Pensamento do Dia #6: (Sobre Festivais e Jejum, 6-7)

Reserve um certo número de dias, durante os quais você se contentará com a alimentação mais barata e escassa, com vestes grosseiras e ásperas, dizendo a si mesmo: “É esta a situação que eu temia?“. É precisamente em tempos tranquilos que a alma deve endurecer-se de antemão para ocasiões de maior estresse, e é enquanto a fortuna é amável que se deve fortalecer contra violência. Em dias de paz, o soldado executa manobras, lança obras de terraplenagem sem inimigo à vista, e se exercita, a fim de se tornar indiferente a labuta inevitável. Se você não quer que um homem recue quando a crise chegar, treine-o antes que ela chegue.

(Sêneca, Carta XVIII. Sobre Festivais e Jejum, 6-7 ) (Imagem: Daniele Crespi, Jejum de São Carlos Borromeo)

A filosofia do Estoicismo

Ao invés de imaginar uma sociedade ideal, o estoico tenta lidar com o mundo do jeito que é enquanto persegue autodesenvolvimento através de quatro virtudes cardinais:
  • Sabedoria prática, a habilidade de navegar situações complexas de forma lógica, informada e calma;
  • Temperança, o exercício de autorrestrição e moderação em todos os aspectos da vida;
  • Justiça, tratar outros justamente mesmo quando eles fizeram algo errado;
  • e Coragem, não só em circunstâncias extraordinárias, mas ao encararmos desafios diários com claridade e integridade.
  

Excelente resumo do estoicismo, apesar de falado somente em inglês as legendas em português estão bastante razoáveis:

Pensamento do Dia #4 (Razões para se retirar do mundo, 5)

Aquele que anseia riquezas sente medo por conta delas. Nenhum homem, no entanto, goza de uma bênção que traz ansiedade; ele está sempre tentando adicionar um pouco mais. Enquanto ele se intrica em aumentar sua riqueza, ele se esquece de usá-la. Ele recolhe suas contas, desgasta o pavimento do fórum, ele revira seu livro-razão, – em suma, ele deixa de ser mestre e torna-se um mordomo.

(Sêneca, Carta XIV. Sobre as razões para se retirar do mundo, 5) (Imagem: Homen contando dinheiro – por Cornelis de Man)

Pensamento do Dia #3: (Sobre medos infundados, 5)

Algumas coisas nos atormentam mais do que deveriam; algumas nos atormentam antes do que deveriam; e algumas nos atormentam quando não deveriam nos atormentar. Temos o hábito de exagerar, imaginar, antecipar, a tristeza. A primeira dessas três faltas pode ser adiada no momento, porque o assunto está em discussão e o caso ainda está no tribunal, por assim dizer. O que eu chamo de insignificante, você considerará a ser mais grave; pois é claro que eu sei que alguns homens riem enquanto são açoitados, e que outros estremecem com um tapa orelha. Consideraremos mais tarde se esses males derivam seu poder de sua própria força ou de nossa própria fraqueza.

(Sêneca, Sobre medos infundados, 5) (Imagem: O Grito – por Munch)

Pensamento do Dia #2: (Sobre a Velhice, 6-7)

A Morte, no entanto, deve ser olhada no rosto por jovens e velhos. Nós não somos convocados de acordo com nossa idade. Além disso, ninguém é tão velho que seria impróprio esperar mais um outro dia de existência. E um dia, lembre-se, é uma etapa na jornada da vida. Nosso escopo de vida é dividido em partes; consiste em grandes círculos que encerram menores. O menor círculo de todos é o dia; mas mesmo um dia tem seu começo e seu término, seu nascer e seu pôr-do-sol.

Portanto, todos os dias deveriam ser regulados como se fechassem a série, como se estivessem completando nossa existência. Quando um homem diz: “Eu tenho vivido!” toda manhã que acorda, recebe um bônus.

(Sêneca, Sobre a Velhice, 6-7) (Imagem: Morte de Sêneca – por David)