Carta 50: Sobre nossa cegueira e sua cura

As cartas 49 a 58 foram escritas enquanto Sêneca viajava, o que remete ao primeiro ensinamento da Carta 50, que nossos problemas não são externos, mas intrínsecos a cada um de nós:

“estamos aptos a atribuir certas faltas ao lugar ou ao tempo; mas essas falhas nos seguirão, não importa como mudamos nosso lugar.” (L,1)

Logo passa a contar um caso pessoal, uma ilustração da vida extravagante da alta classe romana. Fala da bufão (bobo da casa) particular de sua esposa que fica cega e não percebe.   Sêneca diz que isso é comum às pessoas, que não percebem seus próprios defeitos:

“Eu não sou egoísta, mas não se pode viver em Roma de qualquer outra maneira. Eu não sou extravagante, mas mera vida na cidade exige um grande desembolso. Não é culpa minha que eu tenha uma disposição colérica,  é devido à minha juventude.”
Por que nos enganamos? O mal que nos aflige não é externo, está dentro de nós, situado em nossos próprios entraves; por isso alcançamos a saúde com mais dificuldade, porque não sabemos que estamos doentes.”(L,3-4)

Conclui a carta dizendo que “Aprender virtude significa desaprender o vício.”(L,7) e que uma vida virtuosa é fácil de ser levada se superarmos as dificuldades e resistências iniciais:

“A mente deve, portanto, ser forçada a começar; daí em diante, o remédio não é amargo; pois assim que nos cura, começa a dar prazer.” (L, 9)

(Imagem O Rapto das Sabinas, de Giambologna, na Loggia dei Lanzi)


L. Sobre nossa cegueira e sua cura

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. Recebi sua carta muitos meses depois que você a postou; portanto, pensei que era inútil perguntar ao transportador com o que você estava ocupado. Ele deveria ter uma memória particularmente boa se puder lembrar disso! Mas espero que a esta altura você esteja vivendo de tal maneira que eu possa ter certeza de que você esteja ocupado, não importa onde você possa estar. Com o que mais você estaria ocupado, a não ser melhorar a si mesmo, deixando de lado algum erro, e chegando a entender que as faltas que você atribui às circunstâncias estão em si mesmo? De fato, estamos aptos a atribuir certas faltas ao lugar ou ao tempo; mas essas falhas nos seguirão, não importa como mudamos nosso lugar.
  2. Você conhece a Harpaste, a bufão particular da minha mulher; ela acabou permanecendo em minha casa, um fardo incorrido de um legado. Eu particularmente desaprovo essas extravagâncias; sempre que eu quiser desfrutar de piadas de um palhaço, não sou obrigado a procurar longe; eu posso rir de mim mesmo. Agora esta palhaça de repente ficou cega. A história soa incrível, mas eu lhe asseguro que é verdade: ela não sabe que ela é cega. Ela continua pedindo a sua criada para mudar de aposentos; ela diz que seus apartamentos são muito escuros.
  3. Você pode ver claramente que o que nos faz sorrir no caso de Harpaste acontece a todos nós também; ninguém entende que é avarento, ou que é cobiçoso. No entanto, os cegos pedem um guia, enquanto vagamos sem um, dizendo: “Eu não sou egoísta, mas não se pode viver em Roma de qualquer outra maneira. Eu não sou extravagante, mas mera vida na cidade exige um grande desembolso. Não é culpa minha que eu tenha uma disposição colérica, ou que eu não tenha estabelecido qualquer esquema de vida definido, é devido à minha juventude.”
  4. Por que nos enganamos? O mal que nos aflige não é externo, está dentro de nós, situado em nossos próprios entraves; por isso alcançamos a saúde com mais dificuldade, porque não sabemos que estamos doentes. Suponhamos que começamos a cura; quando devemos livrar-nos de todas essas doenças, com toda a sua virulência? Atualmente, nem mesmo consultamos o médico, cujo trabalho seria mais fácil se fosse chamado quando a queixa estivesse em seus estágios iniciais. As mentes tenras e inexperientes seguiriam seu conselho se ele indicasse o caminho certo.
  5. Nenhum homem tem dificuldade em retornar à natureza, a não ser o homem que desertou a natureza. Nós ruborizamos ao receber conselhos sadios; mas, pelos céus, se achamos vil procurar um professor desta arte, também devemos abandonar qualquer esperança de que um tão grande bem possa ser inculcado em nós por mero acaso. Não, precisamos trabalhar. Para dizer a verdade, até mesmo a obra não é grande, se apenas, como eu disse, começarmos a moldar e reconstruir nossas almas antes que elas sejam endurecidas pelo pecado. Mas eu não perco as esperanças nem por um pecador contumaz.
  6. Não há nada que não se renda ao tratamento persistente, a atenção concentrada e cuidadosa; por mais que a madeira possa ser dobrada, você pode torná-la direta novamente. O calor retifica vigas torcidas, e a madeira que cresceu naturalmente em outra forma é moldada artificialmente de acordo com nossas necessidades. Quão mais facilmente a alma se permite moldar, flexível como é e mais complacente do que qualquer líquido! Pois o que mais é a alma do que o ar em um determinado estado? E você vê que o ar é mais adaptável do que qualquer outra matéria, na medida em que é menos denso do que qualquer outro.
  7. Não há nada, Lucílio, que o impeça de entreter boas esperanças sobre nós, apenas porque estamos ainda sob o domínio do mal, ou porque há muito temos sido possuídos por ele. Não há homem a quem uma boa mente venha diante de uma maligna. É a mente má que primeiro domina a todos nós. Aprender virtude significa desaprender o vício.
  8. Devemos, portanto, prosseguir na tarefa de nos livrar das faltas com mais coragem, porque, uma vez entregue a nós, o bem é uma possessão eterna; A virtude não é ignorada. Pois antagonistas encontram dificuldade em se apegar onde não pertencem, portanto, eles podem ser expulsos e empurrados para longe; mas qualidades que vêm a um lugar que é legitimamente delas permanecem fielmente. A virtude é consoante à natureza; O vício é oposto a ela e hostil.
  9. Mas embora as virtudes, quando admitidas, não possam partir e sejam fáceis de guardar, contudo os primeiros passos na abordagem delas são difíceis, porque é característico de uma mente fraca e doente ter medo do que não é familiar. A mente deve, portanto, ser forçada a começar; daí em diante, o remédio não é amargo; pois assim que nos cura, começa a dar prazer. Goza-se das outras curas somente depois que a saúde é restaurada, mas um trago de filosofia é ao mesmo tempo saudável e agradável.

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

Carta 49: Sobre a brevidade da vida

A carta 49 discute um tema muito relevante para Sêneca, abordado a fundo no livro “Sobre a brevidade da vida“. Nesta carta temos a principal ideia, ou seja, que a vida não é curta, mas as pessoas fazem mal proveito dela:

“fico com mais raiva que alguns homens reivindiquem a maior parte deste tempo para coisas supérfluas, tempo que, por mais cuidadoso que sejamos, não é suficiente até mesmo para as coisas necessárias.” (XLIX, 5)

“o bem na vida não depende do comprimento da vida, mas do uso que fazemos dela; também, é possível, ou mais comum, que um homem que tenha vivido muito tempo tenha vivido muito pouco. “(XLIX, 10)

Sêneca aborda também a técnica estoica de “premeditatio malorum“, a premeditação da adversidade, que é útil para “vacinar” nossas mentes contra infortúnios, trazendo satisfação com o que já temos e nos preparando para adversidades futuras:

Diga-me quando eu me deitar para dormir: “Você pode não acordar de novo!” E quando eu acordar: “Você não pode ir dormir de novo!” Diga-me quando sair de minha casa: “Não vai voltar!” E quando eu retornar: “Você nunca poderá sair novamente!” (XLIX, 10)

Conclui a carta com uma frase marcante:

“No nosso nascimento, a natureza nos tornou ensináveis, e nos deu razão, não perfeita, mas capaz de ser aperfeiçoada.”(XLIX, 11)

E cita  um trecho de As Fenícias de Eurípides:

“A linguagem da verdade é simples.”(XLIX, 12)

(Imagem escultura “Inverno” por Pierre Le Gros)


XLIX. Sobre a brevidade da vida

Saudações de Sêneca a Lucílio.

    1. Um homem é de fato preguiçoso e descuidado, meu caro Lucílio, se ele se lembrar de um amigo só por ver alguma paisagem que desperta a memória; e ainda há momentos em que os velhos assombramentos familiares despertam uma sensação de perda que foi guardada na alma, não trazendo de volta memórias mortas, mas despertando-as de seu estado adormecido, assim como a visão do escravo favorito de um amigo perdido, ou o seu manto, ou a sua casa, renova o sofrimento da pessoa em luto, mesmo que suavizado pelo tempo. Agora, eis que Campânia, e especialmente Nápoles e sua amada Pompéia[1], me atingiram, quando as vi, com um maravilhoso e renovado sentimento de saudades de você. Você está em plena visão diante dos meus olhos. Estou a ponto de me separar de você. Eu vejo você sufocar suas lágrimas e resistir sem sucesso as emoções que bem no exato momento que tenta as controlar. Parece que o perdi há apenas um momento. Pois o que não é “apenas um momento” quando se começa a usar a memória?
    2. Faz pouco tempo que eu me sentava, como um rapaz, na escola do filósofo Socião[2], há um momento atrás eu comecei a atuar nos tribunais, há um momento atrás eu perdi o desejo de advogar, há um momento atrás que eu perdi a capacidade. Infinitamente rápido é o voo do tempo, como se vê mais claramente quando se olha para trás. Pois quando estamos atentos ao presente, não o percebemos, tão suave é a passagem do tempo ao se avançar.
    3. Você pergunta a razão para isso? Todo o tempo passado está no mesmo lugar; tudo isso apresenta o mesmo aspecto para nós, tudo se mescla. Tudo cai no mesmo abismo. Além disso, um evento que em sua totalidade é ríspido não pode conter longos intervalos. O tempo que passamos na vida não passa de um ponto, nem mesmo de um ponto. Mas este ponto do tempo, infinitesimal como é, a natureza tem zombado por fazê-lo parecer exteriormente de mais longa duração; ela tomou uma porção dele e fez a infância, outra a adolescência, outra a juventude, mais uma inclinação gradual, por assim dizer, da juventude à velhice, e a própria velhice ainda é outra. Quantas etapas para uma subida tão curta!
    4. Foi apenas um momento atrás que eu vi você em sua jornada; e, no entanto, este “momento atrás” constitui uma boa parte de nossa existência, que é tão breve, devemos refletir, que ela logo chegará ao fim completamente. Em outros anos o tempo não me pareceu ir tão rapidamente; agora, parece inacreditavelmente rápido, talvez, porque eu sinta que a linha de chegada está se aproximando, ou pode ser que eu tenha começado a tomar cuidado e contar minhas perdas.
    5. Por esta razão, fico com mais raiva que alguns homens reivindiquem a maior parte deste tempo para coisas supérfluas, tempo que, por mais cuidadoso que sejamos, não é suficiente até mesmo para as coisas necessárias. Cícero declarou que se o número de seus dias fosse dobrado, não teria tempo para ler os poetas líricos. E você pode classificar os dialéticos na mesma classe; mas são tolos de uma forma mais melancólica. Os poetas líricos são abertamente frívolos; mas os dialéticos acreditam que eles próprios estejam empenhados em negócios sérios.
    6. Não nego que se deva lançar um olhar sobre a dialética; mas deve ser um simples olhar, uma espécie de saudação da soleira, simplesmente para não ser enganado, ou julgar que essas atividades contenham quaisquer assuntos ocultos de grande valor. Por que você se atormenta e perde peso por algum problema que seria mais inteligente desprezado do que resolvido? Quando um soldado está tranquilo e viajando em despreocupadamente, ele pode caçar bagatelas ao longo de seu caminho; mas quando o inimigo está se fechando na retaguarda, e um comando é dado para acelerar o ritmo, a necessidade faz ele jogar fora tudo o que ele pegou em momentos de paz e lazer.
    7. Não tenho tempo para investigar inflexões disputadas de palavras, ou para pôr em prática minha astúcia sobre elas.
      Eis os clãs que se aglomeram, os portões fechados, e armas aguçadas prontas para a guerra. [3]
      Preciso de um coração forte para ouvir, sem hesitar, este ruído de batalha que soa em volta.
    8. E todos pensariam, com razão, que eu teria ficado louco se, quando anciãos e mulheres estivessem empilhando pedras para as fortificações, quando os jovens armados frente aos portões esperassem, ou mesmo exigissem, a ordem de um ataque, quando as lanças dos inimigos tremessem em nossos portões e o próprio chão estivesse balançando com minas e passagens subterrâneas, – eu digo, eles pensariam, com razão, que eu teria ficado louco se me sentasse ocioso, colocando enigmas tão insignificantes como este: “O que você não perdeu, você tem. Mas você não perdeu nenhum chifre, portanto, você tem chifres“, ou outros truques construídos segundo o modelo deste bocado de pura bobagem.
    9. E, no entanto, bem posso parecer aos seus olhos não menos louco, se eu gastar minhas energias com esse tipo de coisa; pois mesmo agora estou em estado de sítio. E ainda, no primeiro caso, seria apenas um perigo exterior que me ameaça, e um muro que me separa do inimigo; como é agora, os perigos mortais estão na minha própria presença. Não tenho tempo para essas tolices; um poderoso empreendimento está em minhas mãos. O que eu devo fazer? A morte está em meu caminho, e a vida está fugindo;
    10. Ensine-me algo com que enfrentar estes problemas. Faça ser que eu deixe de tentar escapar da morte, e que a vida possa deixar de escapar de mim. Dê-me coragem para enfrentar dificuldades; me acalme em face do inevitável. Amplie os estreitos limites de tempo que me é atribuído. Mostre-me que o bem na vida não depende do comprimento da vida, mas do uso que fazemos dela; também, que é possível, ou mais comum, que um homem que tenha vivido muito tempo tenha vivido muito pouco. Diga-me quando eu me deitar para dormir: “Você pode não acordar de novo!” E quando eu acordar: “Você não pode ir dormir de novo!” Diga-me quando sair de minha casa: “Não vai voltar!” E quando eu retornar: “Você nunca poderá sair novamente!”
    11. Você está enganado se você pensa que somente em uma viagem marítima há um espaço muito pequeno entre a vida e a morte. Não, a distância entre elas é estreita em todos os lugares. Não é em toda parte que a morte se mostra tão perto; contudo, em todos os lugares ela está tão próxima. Livre-me desses terrores sombrios; então você me entregará mais facilmente a instrução para a qual me preparei. No nosso nascimento, a natureza nos tornou ensináveis, e nos deu razão, não perfeita, mas capaz de ser aperfeiçoada.
    12. Discuta para mim a justiça, o dever, a economia e essa dupla pureza, tanto a pureza que se abstém da pessoa de outrem quanto aquilo que cuida de si mesmo. Se você apenas se recusar a me guiar por caminhos tortuosos, eu alcançarei mais facilmente a meta a que estou visando. Pois, como diz o poema trágico:
      A linguagem da verdade é simples. [4]

Não devemos, portanto, tornar essa linguagem intrincada; uma vez que não há nada menos apropriado para uma alma de grande diligência do que tal astuta esperteza.

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.


 

[1] Provavelmente o local de nascimento de Lucílio.

[2] Socião, o pitagórico. Por suas opiniões sobre vegetarianismo e sua influência para Sêneca, veja carta  CVIII.

[3] Trecho de Eneida de Virgílio.  “Adspice qui coeant populi, quae moenia clusis; Ferrum acuant portis.”

[4] Trecho de As Fenícias de Eurípides. “Veritatis simplex oratio est.

Carta 48: Sobre trocadilhos como Indigno ao Filósofo

Na carta 48 Sêneca pela primeira vez critica contundentemente o epicurismo, filosofia antagonista do estoicismo. O ponte central da crítica é a relação com amigos:  Sêneca diz que para o estoico, os termos “amigo” e “homem” são coextensivos, pois ele é o amigo de todos, e seu motivo de amizade é ser útil; Já o epicurista restringe a definição de “amigo” e considera-o meramente como um instrumento para sua própria felicidade:

ninguém pode viver feliz se só pensa em si próprio e transforma tudo em questão de sua própria utilidade; você deve viver para o seu vizinho, se você quiser viver para si mesmo.“(XLVIII, 2)

Por esse lado, “homem” é o equivalente de “amigo”; no outro lado, “amigo” não é o equivalente de “homem”. Um quer um amigo para sua própria vantagem; o outro quer fazer-se uma vantagem para seu amigo.
(XLVIII, 4)

Na sequencia explica qual a função da filosofia, e ataca o exercício de sofismo praticado pelos epicuristas da época:

Você realmente saberia o que a filosofia oferece à humanidade? A filosofia oferece conselhos. “(XLVIII, 7)
Devo julgar seus jogos de lógica como sendo de algum proveito para aliviar os fardos dos homens, se você puder me mostrar primeiro que parte desses fardos aliviarão. O que entre esses jogos afasta a luxúria? Ou a controla? Gostaria que eu pudesse dizer que eles são meramente ineficazes! Eles são positivamente prejudiciais. “(XLVIII, 9)

Sêneca conclui a carta exortando Lucílio a focar no principal e abandonar os trocadilhos e coisas supérfluas:

“Sinceridade, e simplicidade mostram verdadeira bondade. Mesmo se houvesse muitos anos para você, você teria que gastá-los frugalmente para ter o suficiente para as coisas necessárias; mas como é, quando seu tempo é tão escasso, que estupidez é aprender coisas supérfluas!” (XLVIII, 12)

 imagem: datalhe de Fuga da Decepção por Francesco Queirolo (1704–1762) Cappella Sansevero em Nápoles

 


XLVIII. Sobre trocadilhos como Indigno ao Filósofo

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. Em resposta à carta que me escreveu durante a viagem, – uma carta tão longa quanto a viagem em si, – vou responder mais tarde. Eu devo me retirar, e considerar que tipo de conselho que eu posso lhe dar. Porque você mesmo, que me consulta, também refletiu por um longo tempo; quanto mais, então, devo eu mesmo refletir, já que mais deliberação é necessária para responder do que para propor um problema! E isso é particularmente verdadeiro quando uma coisa é vantajosa para você e outra para mim. Estou falando de novo sob a máscara de um epicurista[1]?
  2. Mas o fato é que a mesma coisa é vantajosa para mim e é vantajosa para você; porque não sou seu amigo, a menos que o que seja importante para você também seja minha preocupação. A amizade produz entre nós uma parceria em todos os nossos interesses. Não há tal coisa como boa ou má fortuna para um de nós; nós vivemos em comum. E ninguém pode viver feliz se só pensa em si próprio e transforma tudo em questão de sua própria utilidade; você deve viver para o seu vizinho, se você quiser viver para si mesmo.
  3. Esta comunhão, mantida com escrupuloso cuidado, que nos faz misturarmo-nos como homens com nossos semelhantes e sustenta que a raça humana tem certos direitos em comum, é também de grande ajuda em nutrir a comunhão mais íntima que se baseia na amizade, sobre a qual eu comecei a falar acima. Pois quem tem muito em comum com um semelhante terá todas as coisas em comum com um amigo.
  4. E sobre este ponto, meu excelente Lucílio, gostaria que esses sutis dialéticos me aconselhem como devo ajudar um amigo, ou como um homem, ao invés de me dizer de quantas maneiras a palavra “amigo” é usada, e quantos significados a palavra “homem” possui. Sabedoria e Estupidez tomam lados opostos[2]. A qual devo me juntar? Qual partido você gostaria que eu seguisse? Por esse lado, “homem” é o equivalente de “amigo”; no outro lado, “amigo” não é o equivalente de “homem”. Um quer um amigo para sua própria vantagem; o outro quer fazer-se uma vantagem para seu amigo. O que você tem a me oferecer não é nada além de distorção de palavras e divisão de sílabas.
  5. É claro que, a menos que eu possa imaginar algumas premissas muito difíceis e por falsas deduções aderir a elas uma falácia que nasce da verdade, não serei capaz de distinguir entre o que é desejável e o que deve ser evitado! Estou envergonhado! Homens velhos como nós somos, lidando com um problema tão sério, e fazemos dele um jogo!
  6. “Rato é uma palavra, agora um rato come queijo, portanto, uma palavra come queijo.” Suponha agora que não consiga resolver este problema; Veja que perigo pende sobre minha cabeça como resultado de tal ignorância! Que situação crítica vou estar! Sem dúvida, devo ter cuidado, ou algum dia eu vou pegar palavras em uma ratoeira, ou, se eu ficar descuidado, um livro pode devorar meu queijo! A menos que, talvez, o seguinte silogismo seja ainda mais perspicaz: “Rato é uma palavra, agora uma palavra não come queijo, por isso um rato não come queijo”[3].
  7. Que disparate infantil! Será que nós devemos debater sobre este tipo de problema? Deixamos nossas barbas crescerem por muito tempo por essa razão? É este o assunto que ensinamos com rostos amargos e pálidos? Você realmente saberia o que a filosofia oferece à humanidade? A filosofia oferece conselhos. A morte chama um homem, e a pobreza desgasta outro; um terceiro está preocupado com a riqueza do seu vizinho ou com a sua. Fulano tem medo da má fortuna; outro deseja ficar longe de sua própria fortuna. Alguns são maltratados pelos homens, outros pelos deuses.
  8. Por que, então, você molda para mim jogos como esses? Não é ocasião de brincadeira; você é considerado como conselheiro para a humanidade infeliz. Você prometeu ajudar aqueles em perigo no mar, aqueles em cativeiro, doentes e necessitados, e aqueles cujas cabeças estão sob o machado levantado. Até que ponto onde você está se perdendo? O que você está fazendo? Este amigo, em cuja companhia você está brincando, está com medo. Ajude-o, e retire o laço de seu pescoço. Homens estão estendendo as mãos implorando para você em todos os lados; Vidas arruinadas e em perigo de ruína estão implorando por alguma ajuda; as esperanças dos homens, os recursos dos homens, dependem de você. Eles pedem que você os livre de toda a sua inquietação, que você revele a eles, dispersos e vagando como eles estão, a clara luz da verdade.
  9. Diga-lhes o que a natureza fez necessário, e o que supérfluo; diga-lhes como são simples as leis que ela estabeleceu, quão agradável e desimpedida a vida é para aqueles que seguem essas leis, mas quão amarga e perplexa é para aqueles que têm a sua confiança na opinião e não na natureza. Devo julgar seus jogos de lógica como sendo de algum proveito para aliviar os fardos dos homens, se você puder me mostrar primeiro que parte desses fardos aliviarão. O que entre esses jogos afasta a luxúria? Ou a controla? Gostaria que eu pudesse dizer que eles são meramente ineficazes! Eles são positivamente prejudiciais. Posso deixar bem claro para você quando quiser, que um espírito nobre quando envolvido em tais sutilezas é prejudicado e enfraquecido.
  10. Tenho vergonha de dizer quais armas fornecem aos homens que estão destinados a guerrear com a fortuna, e quão mal os equipam! É este o caminho para o maior bem? A filosofia deve prosseguir por tal artifício e trocadilho[4] que seria uma desonra e um opróbrio mesmo para os deturpadores da lei? Pois o que mais vocês estão fazendo, quando deliberadamente aprisionam a pessoa a quem estão fazendo perguntas, do que fazer parecer que o homem perdeu sua causa por um erro técnico? Mas assim como o juiz pode restabelecer aqueles que perderam um processo dessa maneira, a filosofia pode restabelecer estas vítimas de trocadilhos a sua condição anterior.
  11. Por que vocês, homens, abandonam suas promessas extremas e, depois de terem me assegurado em linguagem erudita que vocês não permitirão que o brilho do ouro ofusque minha visão não mais que o brilho da espada e que eu, com poderosa perseverança despreze tanto aquilo que todos os homens anseiam quanto aquilo que todos os homens temem, por que vocês descenderam ao ABC dos acadêmicos pedantes? Qual é sua resposta? É este o caminho para o céu? Pois é exatamente isso que a filosofia promete a mim, que eu serei feito igual a Deus. Para isso fui convocado, para este propósito eu vim. Filosofia, mantenha sua promessa!
  12. Portanto, meu caro Lucílio, retire-se o mais possível dessas exceções e objeções desses chamados filósofos. Sinceridade, e simplicidade mostram verdadeira bondade. Mesmo se houvesse muitos anos para você, você teria que gastá-los frugalmente para ter o suficiente para as coisas necessárias; mas como é, quando seu tempo é tão escasso, que estupidez é aprender coisas supérfluas!

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

[1] Os epicuristas, que reduziam todos os bens a “utilidades”, não podiam considerar a vantagem de um amigo como idêntica à própria vantagem. E, no entanto, colocavam grande peso na amizade como uma das principais fontes de prazer. Para uma tentativa de conciliar essas duas posições, veja Cicero, De Finibus. Sêneca usou uma frase que implica uma diferença entre os interesses de um amigo e o próprio. Isso o leva a reafirmar a visão estoica da amizade, que adotou como lema.

[2] Os lados são dados em ordem inversa nas duas cláusulas: para o estoico, os termos “amigo” e “homem” são coextensivos, pois ele é o amigo de todos, e seu motivo de amizade é ser útil; Já o Epicurista, no entanto, restringe a definição de “amigo” e considera-o meramente como um instrumento para sua própria felicidade.

[3] Neste parágrafo, Sêneca expõe a loucura de tentar provar uma verdade por meio de truques lógicos e oferece uma caricatura daqueles que estavam atuais entre os filósofos a quem ele ridiculariza.

[4] Sêneca usa a termo “sive nive”, literalmente, “ou se ou se não,” palavras constantemente empregadas pelos lógicos e nos instrumentos legais.

Carta 47: Sobre mestre e escravo

O Estoico pede desculpas pela longa pausa, mas volta com uma das excelentes cartas!

Na carta 47 Sêneca fala sobre a relação entre mestre e escravo e traz algumas de suas mais marcantes frases:  Nenhuma servidão é mais vergonhosa do que aquela que é auto imposta. ” (XLVII, 17)

A carta é longa, mas sua leitura é muito interessante, principalmente devido aos os detalhes da vida romana narrados por Sêneca desde orgias gastronômicas e sexuais até o comércio, libertação e captura de escravos.  Sêneca nos lembra que Platão e Diogenes bem como Hécuba (rainha de Tróia) caíram em cativeiro e se tornaram escravos.

O cerne da carta, válido ainda hoje é : “Trate seus subalternos como você gostaria de ser tratado por seus superiores.” (XLVII, 11) e nos ensina a tratar as pessoas “de acordo com seu caráter, e não de acordo com seus deveres. Cada homem adquire seu caráter por si mesmo, mas a fortuna atribui seus deveres. ” (XLVII, 15)

Sêneca conclui a carta afirmando que todos homens têm a mesma origem divina e que todos nós somos escravos de algo:

Ele é um escravo.” Sua alma, no entanto, pode ser a de um homem livre. – Ele é um escravo. Mas isso vai ficar no seu caminho? Mostre-me um homem que não é um escravo; um é escravo da luxúria, outro da ganância, outro da ambição, e todos os homens são escravos do medo. Vou citar um antigo cônsul que agora é escravo de uma velha bruxa, um milionário que é escravo de uma serva; vou mostrar-lhe jovens de nascimento mais nobre em servidão a artistas de pantomima! Nenhuma servidão é mais vergonhosa do que aquela que é auto imposta.”(XLVII, 17)

(imagem Boulanger Gustaveo mercado de escravos)


XLVII. Sobre mestre e escravo

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. Fico feliz em saber, através daqueles que vêm de você, que vive em termos amigáveis com seus escravos. Isto convém a um homem sensato e bem-educado como você. “Eles são escravos”, dizem as pessoas. Não, são homens. – Escravos! Não, camaradas. – Escravos! Não, eles são amigos sem pretensões. – Escravos! Não, eles são nossos companheiros escravos, quando se reflete percebe-se que a Fortuna tem direitos iguais sobre escravos e homens livres.
  2. É por isso que eu sorrio para aqueles que acham degradante para um homem para jantar com seu escravo. Mas por que acham isso degradante? É somente porque o cerimonial de gente orgulhosa envolve um chefe de família em seu jantar com uma multidão de escravos em pé. O mestre come mais do que ele pode, e com monstruosa ganância carrega seu ventre até este ser esticado e por fim impossibilitado de fazer o trabalho de um ventre, de modo que logo estará em dores para vomitar toda a comida que deveria alimentá-lo.
  3. Durante todo esse tempo os pobres escravos não podem mover seus lábios, nem mesmo para falar. O menor murmúrio é reprimido pela vara; Mesmo um som casual, – uma tosse, um espirro, ou um soluço, – é correspondido com o chicote. Há uma penalidade grave para a menor quebra de silêncio. Durante toda a noite eles devem ficar em pé, famintos e mudos.
  4. O resultado disso tudo é que esses escravos, que não podem falar em presença de seu mestre, falam sobre seu mestre. Mas os escravos dos dias passados, que tinham permissão para conversar não só na presença de seu amo, mas na verdade com ele, cujas bocas não estavam caladas, estavam prontos a expor seu pescoço a seu senhor, a trazer à própria cabeça qualquer perigo que o ameaçasse; eles falavam na festa, mas ficavam em silêncio sob tortura.
  5. Finalmente, o dito, em alusão a este mesmo tratamento autoritário, torna-se atual: “Você tem tantos inimigos quanto escravos.” Eles não são inimigos quando os adquirimos; nós os tornamos inimigos. Passarei por alto outros comportamentos cruéis e desumanos; pois os maltratamos, não como se fossem homens, mas como se fossem animais de carga. Quando nos relaxamos em um banquete, um escravo passa pano para limpar o alimento vomitado, outro agacha-se debaixo da mesa e recolhe as migalhas dos convidados bêbados.
  6. Outro escravo fatia as preciosas aves de caça; com traços seguros e mão hábil ele corta fatias selecionadas ao longo do peito ou da coxa. Companheiro infeliz, que vive apenas com o propósito de cortar perus corretamente – a menos que, de fato, outro homem seja ainda mais infeliz do que ele, que ensina esta arte por prazer, ao invés de quem aprende isso por dever.
  7. Outro, que serve o vinho, deve vestir-se como uma mulher e lutar contra sua idade avançada; Ele não pode fugir de sua infância; ele é arrastado de volta para ela; e embora já tenha adquirido a figura de um soldado, ele é mantido sem barba por ter os pelos raspados ou arrancados pelas raízes, e ele deve permanecer acordado durante a noite, dividindo o seu tempo entre a embriaguez e luxúria do seu senhor; em seu quarto deve ser um homem, na festa um menino[1].
  8. Outro ainda, cujo dever é avaliar os convidados, deve cumprir com sua tarefa, pobre coitado, e vigiar para ver quem por adulação ou impudor, seja de apetite ou de linguagem, deverá receber um convite para amanhã. Pense também nos pobres fornecedores de alimentos, que observam os gostos de seus mestres com habilidade delicada, que sabem quais sabores especiais irão aguçar o apetite, o que vai agradar aos olhos, que novas combinações despertarão seus estômagos empolados, qual comida vai excitar sua aversão através da pura saciedade, e o que os aguçará o apetite naquele dia em particular. Com escravos como estes o mestre não pode suportar jantar; ele pensaria ser indigno associar-se com seu escravo na mesma mesa! Que os céus nos defendam! Mas quantos mestres está criando nesses mesmos homens!
  9. Eu vi em fila, diante da porta de Calisto[2], o antigo mestre de Calisto; eu vi o antigo mestre ele mesmo trancado para fora enquanto outros eram recebidos, – o mestre que uma vez fixou o bilhete “à venda” em Calisto e o pôs no mercado junto com os escravos inúteis. Mas ele foi pago por aquele escravo que foi arrematado no primeiro lote do leilão; o escravo, por sua vez, cortou seu nome da lista e, por sua vez, julgou-o impróprio para entrar em sua casa. O mestre vendeu Calisto, mas quanto Calisto fez seu patrão pagar!
  10. Lembre-se de que aquele a quem você chama seu escravo brotou do mesmo estoque, é abençoado pelos mesmos céus, e assim como você respira, vive e morre. É tão possível você ver nele um homem livre como para ele ver em você um escravo. Como resultado dos massacres na época de Mario, muitos homens de distinto nascimento, que estavam dando os primeiros passos em direção ao posto senatorial, foram humilhados pela fortuna, um se tornando um pastor, outro um zelador de uma casa de campo. Despreze, então, se você ousar, aqueles em cuja propriedade você pode a qualquer momento cair, mesmo enquanto você ainda os está desprezando.
  11. Não quero me envolver em uma questão muito polêmica, e discutir o tratamento dos escravos, para com quem nós, romanos, somos excessivamente arrogantes, cruéis e insultantes. Mas este é o núcleo do meu conselho: Trate seus subalternos como você gostaria de ser tratado por seus superiores. E quantas vezes você refletir o quanto poder tem sobre um escravo, lembre-se que seu mestre tem o mesmo poder sobre você.
  12. “Mas eu não tenho mestre”, você diz. Você ainda é jovem; talvez você terá um. Não sabe em que idade Hécuba entrou em cativeiro, ou Creso, ou a mãe de Dario, ou Platão ou Diógenes[3]?
  13. Associe-se com seu escravo com bondade, até mesmo em termos afáveis; deixe-o falar com você, planejar com você, viver com você. Sei que neste momento todos os pretensiosos clamarão contra mim em peso; eles dirão: “Não há nada mais degradante, mais vergonhoso, do que isso”. Mas estas são as mesmas pessoas às quais às vezes surpreendo beijando as mãos dos escravos de outros homens.
  14. Você não vê mesmo isto, como nossos antepassados removeram dos mestres tudo o que é ofensivo, e dos escravos tudo insultante? Eles chamavam o mestre de “pai da família”, e os escravos “membros da casa”, um costume que ainda se mantém em uso. Estabeleceram um feriado em que os senhores e escravos deveriam comer juntos, não como o único dia para este costume, mas como obrigatório naquele dia em qualquer caso. Eles permitiram que os escravos alcançassem honras na casa e pronunciassem sua opinião; eles defendiam que uma casa era uma comunidade em miniatura.
  15. “Você quer dizer,” vem a réplica, “que devo sentar todos os meus escravos na minha própria mesa?” Não, não mais do que você deva convidar todos os homens livres para ela. Você está enganado se pensa que eu iria excluir da minha mesa certos escravos cujos deveres são mais humildes, como, por exemplo, aquele tratador de mulas ou outro pastor; proponho valorizá-los de acordo com seu caráter, e não de acordo com seus deveres. Cada homem adquire seu caráter por si mesmo, mas a fortuna atribui seus deveres. Convide alguns para sua mesa porque eles merecem a honra, e outros por que podem vir a merecer. Pois, se houver qualquer característica servil neles como resultado de suas atribuições inferiores, será abalada por relações com homens de criação mais gentil.
  16. Você não precisa, meu caro Lucílio, caçar amigos apenas no fórum ou no senado; se você é cuidadoso e atento, você vai encontrá-los em casa também. O bom material muitas vezes permanece ocioso por falta de um artista; faça a experiência, e você vai confirmar isso. Como é um tolo aquele, ao comprar um cavalo, não considera as características do animal, mas apenas a sua sela e freio; então é duplamente um tolo quem valoriza um homem por suas roupas ou sua posição social, que na verdade é apenas um roupão que nos cobre.
  17. “Ele é um escravo.” Sua alma, no entanto, pode ser a de um homem livre. – Ele é um escravo. Mas isso vai ficar no seu caminho? Mostre-me um homem que não é um escravo; um é escravo da luxúria, outro da ganância, outro da ambição, e todos os homens são escravos do medo. Vou citar um antigo cônsul que agora é escravo de uma velha bruxa, um milionário que é escravo de uma serva; vou mostrar-lhe jovens de nascimento mais nobre em servidão a artistas de pantomima! Nenhuma servidão é mais vergonhosa do que aquela que é auto imposta. Você não deve, portanto, ser dissuadido por essas pessoas mimadas de se mostrar a seus escravos como uma pessoa afável e não orgulhosamente superior a eles; eles devem lhe respeitar em vez de lhe temer.
  18. Alguns podem sustentar que eu estou oferecendo agora a libertação dos escravos em geral e roubando senhores de sua propriedade, porque eu proponho que escravos respeitem seus mestres em vez de temê-los. Eles dizem: “Isto é o que ele claramente quer dizer: Devemos respeitar os escravos como se fossem clientes ou visitas!” Qualquer um que detém esta opinião esquece que o que é suficiente para um deus não pode ser muito pouco para um mestre. Respeito significa amor, e amor e medo não podem ser misturados.
  19. Portanto, eu considero que você está inteiramente certo em não desejar ser temido por seus escravos, e chicoteá-los apenas com a língua; apenas animais estúpidos precisam do chicote. O que nos irrita não nos prejudica necessariamente; mas nós somos levados a raiva selvagem por nossas vidas luxuosas, de modo que tudo o que não responde a nossos caprichos desperta nossa raiva.
  20. Nós vestimos o temperamento dos reis. Pois também eles, esquecidos da própria força e da fraqueza dos outros homens, tornam-se brancos de raiva, como se tivessem sofrido um ferimento, quando estão inteiramente protegidos do perigo de tal ferimento por sua exaltada posição. Eles não desconhecem que isso é verdade, mas ao encontrarem um erro, eles aproveitam as oportunidades para fazerem o mal; eles insistem que eles receberam ferimentos, a fim de que possam infligir-los.
  21. Não quero me demorar mais; porque você não precisa de exortação. Isto, entre outras coisas, é uma marca de bom caráter: Forme seus próprios julgamentos e honre-os. O mal é inconstante e em frequentemente mudança, não para melhor, mas para algo diferente.

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

[1] Glabri(pele macia), delicati ou exoleti (catamitas) eram escravos favoritos, mantidos artificialmente jovens pelos romanos da classe mais dissoluta, onde o mestre se orgulhava da aparência elegante e gestos graciosos desses favoritos.

[2] Caio Júlio Calisto foi um liberto imperial durante os reinados dos imperadores Calígula e Cláudio. Calisto era originalmente um libertado de Calígula, e recebeu grande autoridade durante o reinado, a qual usou para acumular grande riqueza.

[3] Como Hécuba (rainha de Troia), Sisigambis, mãe de Dario, era tecnicamente uma escrava de Alexandre, mas ele a tratou com respeito.  Platão tinha cerca de quarenta anos quando visitou a Sicília, de onde foi depois deportado por Dionísio, o Ancião. Ele foi vendido como escravo na Egina e resgatado por um discípulo de Cirena. Diógenes, enquanto viaja de Atenas para Egina, foi capturado por piratas e vendido em Creta, onde foi comprado por um certo coríntio e liberto.

 

Carta 46: Sobre um novo livro de Lucílio

A carta 46 é bastante particular à Lucílio e contem pouca mensagem atual.
Contudo é um  bom exemplo de texto elogioso.

(imagem busto de Lucius Verus, Louvre)


 

XLVI. Sobre um novo livro de Lucílio.

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. Recebi o seu livro que você havia prometido. Abri-o apressadamente com a intenção de olhar de relance, pois queria apenas provar o volume. Mas por seu próprio charme o livro me persuadiu a examiná-lo mais extensamente. Você pode entender por esse fato quão eloquente isso foi; pois parecia estar escrito no estilo tranquilo e, no entanto, não se assemelhava à sua obra ou à minha, mas à primeira vista poderia ter sido atribuída a Tito Lívio[1] ou a Epicuro. Além disso, eu estava tão impressionado e arrebatado pelo seu charme que eu terminei sem qualquer adiamento. A luz do sol me chamou, a fome deu sinal, e as nuvens baixaram; mas absorvi o livro do começo ao fim.
  2. Eu não estava meramente satisfeito; eu me rejubilava. Tão cheio de inteligência e espírito que era! Eu deveria ter acrescentado “força”, se o livro contivesse momentos de repouso, ou se tivesse aumentado em energia apenas em intervalos. Mas descobri que não havia erupção de força, mas um fluxo uniforme, um estilo vigoroso e casto. No entanto, eu notei de vez em quando sua doçura, e aqui e ali sua suavidade. Seu estilo é sublime e nobre; quero que você se mantenha dessa maneira e dessa direção. Seu assunto também contribuiu com algo; por esta razão você deve escolher temas produtivos, que vai prender a mente e despertá-la.
  3. Discutirei o livro mais detalhadamente após uma segunda leitura; entretanto, o meu julgamento é um tanto perturbado, como se eu tivesse ouvido aquilo em voz alta, e não o tivesse lido pessoalmente. Você deve permitir que eu o examine também. Você não precisa ter medo; você ouvirá a verdade. Homem de sorte! Não oferecer a um homem oportunidade de dizer-lhe mentiras de tal longa distância! A menos que talvez, mesmo agora, quando as desculpas para a mentira são tiradas, a tradição sirva como uma desculpa para dizermos mentiras uns aos outros!

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

[1] Tito Lívio, conhecido simplesmente como Lívio, é o autor da obra histórica intitulada Ab urbe condita (“Desde a fundação da cidade”), onde tenta relatar a história de Roma desde o momento tradicional da sua fundação 753 a.C. até ao início do século I da Era Cristã.

A Tríade do Guerreiro Estoico

A Tríade do Guerreiro Estoico

Recentemente recebi recomendação do texto do almirante James Stockdale A Tríade do Guerreiro Estoico” em tradução de  Aldo Dinucci e Alexandre Cabeceiras. (disponível em https://goo.gl/5pMCtK, texto de Stockdale começa na página 9)

Stockdale foi o mais alto oficial americano aprisionado na guerra do Vietnã. Foi mantido como prisioneiro de guerra em Hoa Lo (o infame “Hanoi Hilton”) por sete anos e meio. Como oficial sênior da Marinha, ele foi um dos principais organizadores da resistência dos prisioneiros. Torturado rotineiramente e sem atenção médica para a perna severamente machucada, Stockdale criou e aplicou um código de conduta para todos os prisioneiros.  Quando foi informado por seus captores que ele seria exibido em público, Stockdale cortou a própria testa com uma navalha para se desfigurar propositalmente, para que seus captores não o pudessem usar como propaganda.

Nesse texto ele narra como usou o estoicismo, as teses de Solzhenitsyn e principalmente os ensinamentos de Epicteto para sobreviver e manter a lucidez todos os anos de prisão:

“Gostaria de dizer de imediato que li e estudei as Diatribes pelo menos 10 vezes, sem mencionar minhas incursões pelo Encheirídion, e jamais achei uma simples inconsistência no código de princípios de Epicteto. É um pacote fechado, livre de contradições. O velho cara pode não instigá-los, mas se ele não o faz, não o censurem por incoerência; Epicteto não tem problemas com a lógica.”

Manteve uma atitude estoica frente a seus torturadores, como podemos ver no trecho que narra sua relação com o principal deles:

Mas nenhum de nós jamais quebrou o código de uma invariavelmente estrita relação na “linha do dever”. Ele nunca me enganou, sempre jogou corretamente, e jamais pedi misericórdia. Eu admirei aquilo nele, e poderia dizer que ele admirou isso em mim. E quando as pessoas dizem: “Ele era um torturador, você não o odeia?” Eu digo, como Solzehnitsyn, para o espanto daqueles que estão à minha volta: “Não, ele era um bom soldado, nunca ultrapassou sua linha do dever”.

Ensina que aprender a comandar suas emoções é fortalecedor e libertador:

Quando se chega nesse ponto, o capítulo 30 do Encheirídion se aplica: “Se não quiseres, outro não te causará dano”. E por “dano” Epicteto quer dizer, como os estoicos sempre o fizeram, danificar seu eu interior, seu auto-respeito, e sua obrigação de ser leal. Podem quebrar seu braço ou sua perna, mas não se preocupem. Eles sararão.

Conclui com o que chama de  Tríade do Guerreiro Estoico:

“Tranquilidade, Destemor e Liberdade”.

Estátua de  James Stockdale, US Naval Academy, Annapolis, Maryland

Carta 45: Sobre Argumentação sofística

Na carta 45 Sêneca discorre sofre a escola sofista e a define com um exercício fútil:

“Eles perderam muito tempo em jogar com palavras e na argumentação sofista; todo esse tipo de coisa exercita a inteligência para nenhum propósito. Nos atamos nós e unimos palavras em significados duplos, e então tentamos desatá-los. Temos tempo suficiente para isso? Já sabemos como viver ou morrer? (XLV, 5)

Resume que não conhecer os sofismas não faz mal, e dominá-los não faz nenhum bem, sendo que a principal mensagem é focar no importante, deixando o supérfluo passar:

“entenda que o homem feliz não é aquele que a multidão considera feliz, isto é, aquele em cujos cofres grandes somas fluíram, mas aquele cujas posses estão todas em sua alma, que é reta e elevada, que despreza a inconstância, que não vê homem com quem ele queira trocar de lugar, que avalia os homens apenas pelo seu valor como homens, que considera a natureza sua professora, obedecendo suas leis e vivendo como ela comanda, a quem nenhuma violência pode privar de suas posses”(XLV, 9)

(imagem Busto de Protágoras, sofista conhecido por cunhar a frase “o homem é a medida de todas as coisas”)


XLV. Sobre Argumentação sofística

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. Você se queixa de que em sua parte do mundo há uma oferta escassa de livros. Mas é a qualidade, e não a quantidade, que importa; Uma lista limitada de benefícios de leitura; Um sortimento variado serve apenas para o deleite. Aquele que chegaria ao fim designado deve seguir um único caminho e não percorrer muitos caminhos. O que você sugere não é uma viajem, mas um mero vaguear.
  2. “Mas,” você diz, “eu prefiro que você me dê conselhos do que livros.” Ainda assim, estou pronto para enviar-lhe todos os livros que tenho, saquear todo meu armazém. Se fosse possível, eu deveria me juntar a você; E se não fosse pela esperança de que você termine em breve seu mandato, eu deveria impor a mim mesmo a viagem, nenhum Cila ou Caribdis[1], ou seus lendários desafios poderiam ter me assustado. Eu não deveria apenas ter atravessado, mas deveria ter estado disposto a nadar sobre essas águas, desde que pudesse cumprimentá-lo e julgar em sua presença o quanto você cresceu em espírito.
  3. Seu desejo, entretanto, de que eu lhe envie meus próprios escritos não me faz acreditar mais sábio, não mais do que um pedido de meu retrato lisonjearia minha beleza. Sei que é devido à sua caridade e não a sua capacidade crítica. E mesmo se for resultado de julgamento, foi a caridade que forçou seu julgamento.
  4. Mas qualquer que seja a qualidade das minhas obras, leia-as como se eu ainda estivesse procurando, e não estivesse ciente da verdade, e também a procurasse obstinadamente. Pois não me vendi a ninguém; eu não tenho a marca de nenhum mestre. Eu dou muito crédito ao julgamento dos grandes homens; mas eu reivindico algo também para mim. Pois esses homens nos deixaram também, não descobertas definitivas, mas problemas cuja solução ainda deve ser buscada. Poderiam talvez ter descoberto o essencial, se não tivessem procurado também o supérfluo.
  5. Eles perderam muito tempo em jogar com palavras e na argumentação sofista; todo esse tipo de coisa exercita a inteligência para nenhum propósito. Nos atamos nós e unimos palavras em significados duplos, e então tentamos desatá-los. Temos tempo suficiente para isso? Já sabemos como viver ou morrer? Devemos, antes, prosseguir com as nossas almas intactas até o ponto em que é nosso dever cuidar para que as coisas, assim como as palavras, não nos enganem.
  6. Por que, ora, você discrimina entre palavras semelhantes, quando ninguém é enganado por elas, exceto durante a discussão? São coisas que nos desnorteiam: é entre as coisas que você deve discriminar. Nós abraçamos o mal em vez do bem; oramos por algo oposto ao que havíamos orado no passado. Nossas orações entram em conflito com nossas orações, nossos planos com nossos planos.
  7. Quão semelhante é a adulação com a amizade! Não só macaqueia a amizade, mas supera-a, passando-a na corrida; com ouvidos abertos e indulgentes, é acolhida e penetra nas profundezas do coração, e é agradável precisamente no que faz mal. Mostre-me como eu posso ser capaz de ver através desta semelhança! Um inimigo chega até mim cheio de elogios, sob a aparência de um amigo. Os vícios fluem em nossos corações sob o nome de virtudes, a imprudência se esconde sob a denominação de bravura, a moderação é chamada de lentidão, e o covarde é considerado prudente; há grande perigo de nos confundirmos nesses assuntos. Então marque-os com etiquetas especiais.
  8. Então, também, o homem a quem é perguntado se tem chifres na cabeça não é tão tolo para apalpar por eles em sua testa, nem tão tolo ou estúpido que você possa persuadi-lo por meio de argumentação, não importa quão astutamente, que ele não conhece os fatos. Esses sofismas são tão inofensivamente enganadores quanto os acessórios do malabarista, em que é o próprio truque que me agrada. Mas mostre-me como o truque é feito, e eu perco interesse nele. E eu mantenho a mesma opinião sobre esses complicados jogos de palavras; por qual outro nome se pode chamar tais sofismas? Não os conhecer não faz mal, e dominá-los não faz nenhum bem.
  9. De qualquer modo, se você quiser peneirar significados duvidosos deste tipo, entenda que o homem feliz não é aquele que a multidão considera feliz, isto é, aquele em cujos cofres grandes somas fluíram, mas aquele cujas posses estão todas em sua alma, que é reta e elevada, que despreza a inconstância, que não vê homem com quem ele queira trocar de lugar, que avalia os homens apenas pelo seu valor como homens, que considera a natureza sua professora, obedecendo suas leis e vivendo como ela comanda, a quem nenhuma violência pode privar de suas posses, que transforma o mal em bem, é inabalável em julgamento, inabalável, sem medo, que pode ser movido pela força, mas nunca movido por distração, a quem a fortuna, quando ela se lança com toda a sua força sobre ele com seu mais mortífero arsenal, pode atingi-lo, embora raramente, mas nunca feri-lo. Pois as outras armas da fortuna, com as quais ela vence a humanidade em geral, ricocheteia neste homem, como o granizo que crepita no telhado sem causar dano ao morador, e depois desaparece.
  10. Por que você me aborrece com o que você mesmo chama de “falácia mentirosa”, sobre a qual tantos livros foram escritos? Convenhamos agora, suponha que toda a minha vida é uma mentira; prove isto estar errado e, se você é forte o suficiente, traga isso de volta para a verdade. Agora, considere coisas essenciais, as quais a maior parte é supérflua. E mesmo o que não é supérfluo não tem importância no que diz respeito ao seu poder de fazer alguém afortunado e bem-aventurado. Pois se uma coisa é necessária, não se segue que ela seja boa. Do contrário degradaríamos o significado de “boa”, se aplicarmos esse nome ao pão, à cevada e a outras mercadorias sem as quais não podemos viver.
  11. O bem deve em todos os casos ser necessário; mas o que é necessário não é em todos os casos um bem, uma vez que certas coisas muito insignificantes são realmente necessárias. Ninguém é tão ignorante quanto ao nobre significado da palavra “bom”, como para rebaixá-la ao nível dessas utilidades banais.
  12. O que, então? Não prefere transferir seus esforços para deixar claro a todos que a busca do supérfluo significa um grande gasto de tempo e que muitos passam pela vida simplesmente acumulando os instrumentos da vida? Considere indivíduos, avalie homens em geral; não há ninguém cuja vida espere pelo o amanhã.
  13. “Que mal há nisso”, você pergunta? Dano infinito; porque tais pessoas não vivem, mas se preparam para viver. Elas adiam tudo. Mesmo se prestássemos rigorosa atenção, a vida logo se adiantaria a nós; mas como nós somos agora, a vida nos encontra persistentes e ultrapassa-nos como se pertencesse a outro, e embora termine no último dia, perece todos os dias. Mas não devo ultrapassar os limites de uma carta, que não deve preencher a mão esquerda do leitor[2]. Então, postergo para outro dia nosso caso contra os detalhistas, aqueles sujeitos sutis que fazem da argumentação suprema em vez de subordinada.

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

[1] Cila ou Caribdis: Sêneca estende a metáfora da ascensão para incluir as cadeias de montanha que atravessam a região montanhosa da Candávia, perto da Via Egnatia na Macedônia, depois (retornando aos perigos marítimos) os Sirtes da Líbia (bancos de areia traiçoeiros) e os dois perigos do estreito da Sicília confrontadas por Ulysses: Cila na costa da Calábria e Char Caribdis da Sicília (ver a carta XIV.8).

[2] Essa observação é válida quando tal carta é escrita em pergaminho, desenrolada com a mão direita enquanto a esquerda recolhe a parte que já foi lida.