Carta 53: Sobre as falhas do Espírito

Na carta 53 Sêneca usa uma experiência pessoal de viagem marítima para afirmar que facilmente não percebemos nossas falhas, mesmo aquelas que constantemente se mostram aparentes:

“completamente esquecemos ou ignoramos nossas falhas, mesmo aquelas que afetam o corpo, que continuamente nos recordam de sua existência, para não mencionar aquelas que são mais sérias na medida em que são mais escondidas.” (LIII, 5)

logo em seguida diz que  ninguém admite suas falhas “porque ainda está preso por elas; somente aquele que está acordado pode contar o seu sonho, e da mesma forma uma confissão de pecado é uma prova da mente sã. ” (LIII,8). Uma pessoa padecendo de doença física rapidamente deixa negócios e clientes de lado e se dedica a curar-se, contudo Sêneca afirma que no caso das doenças espirituais não fazemos isso e apenas nos dedicamos ao desenvolvimento espiritual (filosófico) quando sobra tempo:

“Abandone todos os obstáculos e se dê tempo a obter uma mente sadia; porque nenhum homem pode alcançá-la se está absorto em outros assuntos. (LIII, 9)”

e qual será a recompensa por tal esforço?

“uma grande distância então começará a separá-lo de outros homens. Você estará bem à frente de todos os mortais, e até mesmo os deuses não estarão muito adiante de você. Você pergunta qual será a diferença entre você e os deuses? Viverão por muito mais tempo. Que privilégio maravilhoso, ter as fraquezas de um homem e a serenidade de um deus! ” (LIII,11-12)

(Imagem,   Escultura de Danúbio e Vindobona,  por Johann Meixner em Viena, Albertinaplatz)

Imagem escolhida em homenagem a Marco Aurélio que morreu em 17 de março de 180 em Vindobona, atual Viena.

 


LIII. Sobre as falhas do Espírito

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. Você pode me persuadir em quase qualquer coisa agora, pois recentemente fui persuadido a viajar pela água. Nós partimos quando o mar estava preguiçosamente liso; o céu, com certeza, estava pesado com nuvens desagradáveis, como se fosse quebrar em chuva ou rajadas. Ainda assim, eu pensei que as poucas milhas entre Pozzuoli e sua cara Partenope poderiam ser executadas rapidamente, apesar do céu incerto e pesado. Então, para fugir mais depressa, fui direto ao mar de Nesis, com o objetivo de atravessar todas as enseadas.
  2. Mas quando estávamos tão distantes que fazia pouca diferença se voltasse ou continuasse, o tempo calmo, que me seduzira, acabou em nada. A tempestade ainda não tinha começado, mas o mar estava inchado, e as ondas se aproximavam cada vez mais depressa. Comecei a pedir ao piloto para que me colocasse em terra firme; ele respondeu que a costa era acidentada e um lugar ruim para atracar, e que durante uma tempestade ele temia uma costa de sota-vento mais do que qualquer outra coisa.
  3. Mas eu estava sofrendo demais para pensar no perigo, uma vez que um enjoo moroso que não me trazia alívio estava me atormentando, o tipo que perturba o fígado sem limpá-lo. Por isso, dei a ordem ao meu piloto, forçando-o a ir para a praia, contra sua vontade. Quando nos aproximamos, não esperei que as coisas fossem feitas de acordo com as ordens de Virgílio, até que:Proa em direção o mar alto ou Âncora jogada da proa; ( Obvertunt pelago proras aut Ancora de prora iacitur;[1]Lembrei-me da minha declaração solene de devoto veterano de água fria[2] e, vestido como eu estava em meu manto, me deixei cair no mar, como um banhista de água fria.
  4. O que você acha que meus sentimentos eram, correndo sobre as rochas, procurando pelo caminho, ou fazendo um para mim? Compreendi que os marinheiros têm boas razões para temer a terra. É difícil acreditar no que sofri quando não podia tolerar-me; você pode ter certeza de que a razão pela qual Ulisses naufragou em todas as ocasiões possíveis não foi tanto porque o deus do mar estava zangado com ele desde o seu nascimento, ele estava simplesmente sujeito a enjoo. E, no futuro, também, se for preciso ir a algum lugar por mar, só chegarei ao meu destino no vigésimo ano[3].
  5. Quando eu finalmente acalmei meu estômago (pois você sabe que não se escapa do enjoo escapando do mar) e revigorei meu corpo com uma massagem, comecei a refletir o quão completamente esquecemos ou ignoramos nossas falhas, mesmo aquelas que afetam o corpo, que continuamente nos recordam de sua existência, para não mencionar aquelas que são mais sérias na medida em que são mais escondidas.
  6. Uma leve maleita nos engana; mas quando aumenta e uma verdadeira febre começa a queimar, força até um homem robusto, que pode suportar muito sofrimento, a admitir que está doente. Há dor no pé, e uma sensação de formigamento nas articulações; mas ainda escondemos a enfermidade e anunciamos que apenas torcemos uma articulação, ou então que estamos cansados de excesso de exercício. Então a doença, incerta no início, deve ser nomeada; e quando ela começa a inchar os tornozelos, e faz nossos dois pés, pés “direito[4]“, somos obrigados a confessar que temos a gota.
  7. O oposto vale para as doenças da alma; quão pior é, menos se percebe. Você não precisa se surpreender, meu amado Lucílio. Pois aquele cujo sono é leve persegue visões durante o sono, e às vezes, embora adormecido, está consciente de que está adormecido; mas o sono sólido aniquila nossos próprios sonhos e afunda o espírito tão profundamente que não tem percepção de si mesmo.
  8. Por que ninguém admite suas falhas? Porque ainda está preso por elas; somente aquele que está acordado pode contar o seu sonho, e da mesma forma uma confissão de pecado é uma prova da mente sã. Vamos, portanto, despertar-nos, para que possamos corrigir nossos erros. A filosofia, no entanto, é o único poder que pode nos sacudir, o único poder que pode abalar o nosso sono profundo. Dedique-se inteiramente à filosofia. Você é digno dela; ela é digna de você; cumprimente um ao outro com um abraço amoroso. Diga adeus a todos os outros interesses com coragem e franqueza. Não estude filosofia meramente durante seu tempo livre.
  9. Se você estivesse doente, você deixaria de cuidar de suas preocupações pessoais, e esqueceria seus deveres de negócios; você não pensaria constantemente em nenhum cliente para fazer exame ativo de seu caso durante uma moderação ligeira de seus sofrimentos. Você iria tentar o seu melhor para se livrar da doença logo que possível. O que, então? Você não fará a mesma coisa agora? Abandone todos os obstáculos e se dê tempo a obter uma mente sadia; porque nenhum homem pode alcançá-la se está absorto em outros assuntos. A filosofia exerce sua própria autoridade; ela nomeia seu próprio tempo e não permite que ele seja nomeado para ela. Ela não é uma coisa a ser seguida em tempos estranhos, mas um assunto para a prática diária; ela é amante, e ela comanda a nossa presença.
  10. Alexandre, quando um certo país lhe prometeu uma parte do seu território e metade de toda a sua propriedade, respondeu: “Eu invadi a Ásia com a intenção, não de aceitar o que você pode dar, mas de permitir que você mantenha o que eu deixar.” A filosofia também continua dizendo a todas as tarefas: “Eu não pretendo aceitar o tempo restante que você deixou, mas vou permitir que você mantenha o que eu vou deixar.”
  11. Dedique-se a ela, portanto, com toda a sua alma, sente-se a seus pés, acalente-a; uma grande distância então começará a separá-lo de outros homens. Você estará bem à frente de todos os mortais, e até mesmo os deuses não estarão muito adiante de você. Você pergunta qual será a diferença entre você e os deuses? Viverão por muito mais tempo. Mas, pela minha fé, é o sinal de um grande artista ter confinado uma semelhança completa aos limites de uma miniatura. A vida do sábio se estende sobre uma superfície tão grande como faz toda a eternidade a um deus. Há um ponto em que o sábio tem uma vantagem sobre o deus; pois um deus é libertado dos terrores pela magnanimidade da natureza, o sábio pela sua própria magnanimidade.
  12. Que privilégio maravilhoso, ter as fraquezas de um homem e a serenidade de um deus! O poder da filosofia de romper os golpes do acaso é inacreditável. Nenhum projétil pode assentar em seu corpo; ela é bem protegida e impenetrável. Ela arruína a força de alguns projéteis e os deflete com as dobras soltas de seu vestido, como se não tivessem nenhum poder para prejudicar; outros, ela ricocheteia, e os atira com tanta força que retornam sobre o remetente.

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

[1] Trecho de Eneida de Virgílio. Método típico, na época, para atracar uma embarcação.

[2] Ver carta LXXXIII.

[3] Ulysses levou dez anos em sua jornada, por causa do enjoo; Sêneca precisará duas vezes mais.

[4] Ou seja, eles estão tão inchados que se parecem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.