Carta 52: Escolhendo nossos professores

Sêneca diz que raros  homens acham seu caminho para a verdade sem a ajuda de ninguém, talhando sua própria passagem, e que a maioria precisa de professores, dividindo essa classe entre aqueles com aptidão para aprender e os demais que precisam lutar contra sua natureza.

“considero mais afortunado o homem que nunca teve problemas com ele mesmo; mas o outro, eu sinto, é mais merecedor de si mesmo, pois ganhou uma vitória sobre a mesquinhez de sua própria natureza, e não se conduziu suavemente, mas lutou seu caminho até a sabedoria.”(LII, 6)

O tema da carta é como escolher professores.

“Escolha como um guia quem você vai admirar mais ao vê-lo agir do que ao ouvi-lo falar.”(LII, 8)

Diz que um guia não deve procurar aplausos

“Pois o que é mais ordinário do que a filosofia que busca aplausos? O doente elogia o cirurgião enquanto está sendo operado?
Quão estupido é aquele que sai da sala de aula num feliz estado de espírito simplesmente por causa dos aplausos dos ignorantes! Por que você tem prazer em ser louvado por homens que você mesmo não pode elogiar?” (LII, 9-11)

Imagem: Escultura “Self made man” por Bobbie Carlile


LII. Escolhendo nossos professores

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. O que é esta força, Lucílio, que nos arrasta em uma direção quando estamos mirando em outra, nos incitando ao lugar exato do qual nós desejamos nos retirar? O que é que luta com o nosso espírito, e não nos permite desejar nada de forma definitiva? Passamos de plano em plano. Nenhum de nossos desejos é livre, nenhum é incondicional, nenhum é duradouro.
  2. “Mas é o tolo”, você diz, “que é inconsistente, nada lhe convém por muito tempo.” Mas como ou quando podemos nos afastar dessa loucura? Nenhum homem por si só tem força suficiente para se elevar acima dela; ele precisa de uma mão amiga, e alguém para desenredá-lo.
  3. Epicuro observa que certos homens têm trabalhado seu caminho para a verdade sem a ajuda de ninguém, talhando sua própria passagem. E ele dá louvor especial a estes, porque o seu impulso veio de dentro, e eles têm avançado para a frente por si mesmos. Novamente, diz ele, há outros que precisam de ajuda externa, que não prosseguirão a menos que alguém conduza o caminho, mas que irão seguir fielmente. Destes, diz ele, Metrodoro era um; este tipo de homem também é excelente, mas pertence ao segundo grau. Nós também não somos dessa primeira classe; seremos bem tratados se formos admitidos no segundo. Nem preciso desprezar um homem que pode obter a salvação apenas com a ajuda de outro; a vontade de ser salvo significa muito também.
  4. Você encontrará ainda outra classe de homem, – e uma classe a não ser desprezada, – que pode ser forçada e empurrada para a justiça, que não precisa só de um guia, mas também exige alguém para encorajar, por assim dizer, para forçá-lo. Esta é a terceira variedade. Se você me pedir um exemplo de homem deste padrão, Epicuro nos diz que Hermarco[1] era tal. E das duas últimas classes, ele está mais pronto para parabenizar a primeira, mas sente mais respeito pela outra; embora ambas tenham atingido o mesmo objetivo, é um crédito maior ter trazido ao mesmo resultado com o material mais difícil sobre o qual trabalhar.
  5. Suponha que dois edifícios foram erguidos, diferentes em suas fundações, mas iguais em altura e em grandeza. Um é construído em terreno sem falhas, e o processo de construção vai direto para a frente. No outro caso, as fundações esgotaram os materiais de construção, porque foram afundadas em terra macia e pouco firme e muito trabalho foi necessário para alcançar a rocha maciça. Quando se olha para ambos, vê-se claramente o progresso que o primeiro fez, mas a parte maior e mais difícil do segundo está oculta.
  6. Assim, com as disposições dos homens; alguns são flexíveis e fáceis de manejar, mas outros têm de ser trabalhados laboriosamente, por assim dizer, e são empregados totalmente na fabricação de seus próprios fundamentos. Por isso considero mais afortunado o homem que nunca teve problemas com ele mesmo; mas o outro, eu sinto, é mais merecedor de si mesmo, pois ganhou uma vitória sobre a mesquinhez de sua própria natureza, e não se conduziu suavemente, mas lutou seu caminho até a sabedoria.
  7. Você pode ter certeza de que essa natureza refratária, que exige muito trabalho, foi implantada em nós. Há obstáculos em nosso caminho; então vamos lutar, e chamar ao nosso auxílio alguns ajudantes. “quem,” você diz, “eu devo invocar? Será este ou aquele homem?” Há outra opção também aberta para você; você pode ir para os antigos; pois eles têm tempo para ajudá-lo. Podemos obter ajuda não só dos vivos, mas também daqueles do passado.
  8. Entretanto, vamos escolher entre os vivos, não os homens que derramam as suas palavras com a maior desenvoltura, revelando trivialidades e citações, por assim dizer, as suas próprias pequenas exposições particulares – não estes, digo eu, senão os homens que nos ensinam com suas vidas, os homens que nos dizem o que devemos fazer e depois provam pela prática, que nos mostram o que devemos evitar, e então nunca são pegos fazendo o que eles nos ordenaram evitar. Escolha como um guia quem você vai admirar mais ao vê-lo agir do que ao ouvi-lo falar.
  9. Naturalmente, não o impedirei de ouvir também aqueles filósofos que costumam fazer sessões e discussões públicas, desde que compareçam perante o povo com o propósito expresso de melhorar a si mesmos e aos outros, e não pratiquem sua profissão por egoísmo. Pois o que é mais ordinário do que a filosofia que busca aplausos? O doente elogia o cirurgião enquanto está sendo operado?
  10. Em silêncio e com respeito reverente submetemo-nos à cura. Mesmo que você grite por aplausos, vou ouvir seus gritos como se você estivesse gemendo quando suas feridas são tocadas. Deseja dar testemunho de que está atento, de que está tocado pela grandeza do assunto? Você pode fazer isso no momento adequado; naturalmente, permitirei que você faça julgamento e que decida sobre o melhor curso. Pitágoras fazia seus alunos manterem-se em silêncio por cinco anos; você acha que eles tinham o direito de repentinamente entrar em aplausos?
  11. Quão estupido é aquele que sai da sala de aula num feliz estado de espírito simplesmente por causa dos aplausos dos ignorantes! Por que você tem prazer em ser louvado por homens que você mesmo não pode elogiar? Fabiano costumava dar palestras populares, mas seu público ouvia com autocontrole. Ocasionalmente, um grande grito de louvor brotava, mas era provocado pela grandeza de seu assunto, e não pelo som da oratória que deslizava agradavelmente e suavemente.
  12. Deve haver uma diferença entre os aplausos do teatro e os aplausos da escola; e há certa decência mesmo em dar louvor. Se você os percebe cuidadosamente, todos os atos são sempre significativos, e você pode avaliar o caráter até mesmo pelos sinais mais insignificantes. O homem lascivo é revelado pelo seu andar, por um movimento da mão, às vezes por uma única resposta, pelo toque de sua cabeça com um dedo[2], pelo deslocamento de seu olho. O patife é mostrado por sua risada; o louco pelo seu rosto e aparência geral. Essas qualidades tornam-se conhecidas por certas marcas; mas você pode determinar o caráter de cada homem quando vê como ele dá e recebe louvor.
  13. O público do filósofo, deste canto e daquele, estende as mãos admiradoras, e às vezes a multidão adoradora quase paira sobre a cabeça do conferencista. Mas, se você realmente compreende, isso não é louvor; é apenas um aplauso. Esses alaridos devem ser deixados para as artes que visam agradar a multidão; que a filosofia seja reverenciada em silêncio.
  14. Os jovens, na verdade, devem às vezes ter liberdade para seguir seus impulsos, mas só deve ser em momentos em que eles agem de impulso, e quando eles não podem forçar-se a ficar em silêncio. Tal elogio que dá um certo tipo de incentivo para os próprios ouvintes, e age como um estímulo para a mente jovem. Mas que eles sejam despertados para o assunto, e não para o estilo; caso contrário, a eloquência os faz mal, tornando-os enamorados de si mesmos, e não do assunto.
  15. Vou adiar este tema por enquanto; exige uma investigação longa e especial, para apresentar como o público deve ser abordado, que indulgências devem ser permitidas a um orador em uma ocasião pública, e o que deve ser permitido à própria multidão na presença do orador. Não pode haver dúvida de que a filosofia sofreu uma perda, agora que ela expôs seus encantos à venda. Mas ela ainda pode ser vista em seu santuário, se seu expositor é um sacerdote e não um mascate.

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

[1] Hermarco (grego: Ἕρμαρχoς, Hermarkhos; c. 325-c. 250 AC), era um filósofo epicurista. Ele foi discípulo e sucessor de Epicuro como chefe da escola. Nenhum de seus escritos sobrevive. Ele escreveu obras dirigidas contra Platão, Aristóteles e Empedócles.

[2] O coçar da cabeça com um dedo era, por algum motivo, considerado uma marca de efeminação ou de vício; “scalpere caput digito

9 respostas para “Carta 52: Escolhendo nossos professores”

  1. I’ve been exploring for a little for any high quality articles or weblog posts in this kind of area
    . Exploring in Yahoo I finally stumbled upon this website.

    Studying this information So i am glad to express that I have a very good uncanny feeling I came upon exactly what I needed.
    I so much no doubt will make sure to don?t omit this site
    and give it a glance regularly.

  2. My coder is trying to persuade me to move to .net
    from PHP. I have always disliked the idea because of the expenses.
    But he’s tryiong none the less. I’ve been using Movable-type on a number of websites for about a
    year and am worried about switching to another platform.

    I have heard excellent things about blogengine.net. Is there a way I can transfer all my
    wordpress content into it? Any kind of help would be greatly appreciated!

  3. Do you have a spam problem on this website; I also am a blogger, and I was wanting to know your situation; we
    have created some nice practices and we are looking to trade methods with others, please shoot me
    an e-mail if interested.

  4. This design is steller! You definitely know how to keep a reader entertained.
    Between your wit and your videos, I was almost moved to start my own blog (well, almost…HaHa!) Excellent job.

    I really loved what you had to say, and more than that,
    how you presented it. Too cool!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.